Turquia bombardeia Síria; Erdogan fala em 'dissuasão'

Tropas da Turquia voltaram a "responder" nesta sexta-feira após o disparo de morteiros da Síria contra território turco, informou a agência estatal de notícias da Turquia, a Anatólia. Em Istambul, o primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, repetiu que a Turquia não quer lutar uma guerra contra a síria, mas alertou que "será um erro mortal testar a capacidade de dissuasão" das Forças Armadas turcas.

AE, Agência Estado

05 de outubro de 2012 | 15h01

Na quarta-feira, disparos de morteiros por soldados do governo da Síria contra a cidade truca de Akcakale, na fronteira, mataram cinco civis turcos, dos quais duas mulheres e três crianças, e feriram outros nove. A Turquia respondeu ao realizar disparos de artilharia contra posições das tropas do presidente Bashar Assad na província síria de Ar Raqqa. Nesta sexta-feira, os soldados de Assad voltaram a disparar morteiros contra a Turquia e Erdogan alertou em Istambul que embora a Turquia não queira uma guerra, "não estamos longe de um conflito".

"A nossa nação chegou ao seu presente após assistir e passar por guerras entre continentes e muitas lutas. Assim como a Turquia não deixou de reagir ao incidente em Akcakale, não ficará impassível política e diplomaticamente enquanto o regime de Assad massacra o próprio povo", disse Erdogan, em um evento com governadores das províncias turcas em Istambul.

"A administração do tirano (Assad) perdeu toda a legitimidade há muito tempo e perdeu também a chance de sobreviver. Será um erro mortal testar a capacidade de dissuasão da Turquia, bem como nossa capacidade e determinação".

As informações são da Associated Press e da agência Anatólia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.