Omar HAJ KADOUR / AFP
Omar HAJ KADOUR / AFP

Turquia confirma ofensiva contra regime de Bashar Assad na Síria

Operação 'Escudo da Primavera' é resposta a série de ataque que matou pelo menos 33 militares turcos na Síria

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2020 | 12h43

ISTAMBUL - A Turquia confirmou neste domingo, 1º, o lançamento de uma grande ofensiva militar contra a Síria. A operação 'Escudo da Primavera', uma resposta aos ataques promovidos pelo ditador Bashar Assad contra as forças turcas no país.

Sinal da intensificação dos combates, dois aviões de regime sírio e um drone turco foram abatidos em Idlib neste domingo, informaram Ancara e o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Em busca de apoio ocidental, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan abriu as portas da Europa aos migrantes que, aos milhares, continuavam a se dirigir à fronteira grega.

À medida que a situação na Síria se complica, o ministro da Defesa turco, Hulusi Akar, enfatizou que Ancara não busca um confronto com Moscou, poderoso aliado do regime sírio. O objetivo da ofensiva turca, segundo ele, é "acabar com os massacres do regime e impedir uma onda migratória".

A Turquia multiplicou desde sábado os ataques com drones contra posições do regime sírio, mas é a primeira vez que anuncia oficialmente uma operação mais ampla.

Tensões russo-turcas

A operação foi lançada na quinta-feira após a morte de 33 soldados turcos em ataques aéreos atribuídos ao regime, as maiores perdas sofridas por Ancara desde o início de sua intervenção na Síria em 2016.

Na sexta e no sábado, quase 90 soldados e combatentes de grupos aliados a Damasco foram mortos em ataques turcos, segundo o OSDH. Nesse clima volátil, o exército sírio alertou neste domingo que abateria qualquer aeronave "inimiga" na região de Idlib.

Com o apoio da força aérea russa, o regime sírio conduz desde dezembro uma ofensiva para retomar a região, a última fortaleza rebelde e jihadista na Síria. Essa ofensiva causou atrito entre Ancara e Moscou. Embora a Turquia apoie certos grupos rebeldes e a Rússia apoie o regime, os dois países vêm fortalecendo sua cooperação nos últimos anos.

No sábado, o presidente Erdogan pediu ao russo Vladimir Putin que "saia do caminho" da Turquia na Síria e garantiu que o regime de Damasco "pagará o preço" por seus ataques. Segundo a imprensa turca, os dois chefes de Estado devem se reunir em Moscou na quinta-feira para discutir a situação em Idlib.

Nesse contexto de tensões, o editor e três colaboradores na Turquia do veículo de comunicação russo Sputnik, financiado pelo Kremlin, foram presos pelas autoridades turcas. Moscou apelou a Ancara para "intervir e garantir a segurança dos jornalistas".

A escalada em Idlib suscita temores da comunidade internacional, em vista de uma situação humanitária catastrófica. Desde dezembro, quase um milhão de pessoas foram deslocadas nessa região, um êxodo de escala sem precedentes em tão pouco tempo desde o início, em 2011, da guerra que já matou mais de 380.000 pessoas. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.