Turquia continuará ações contra o PKK, diz conselheiro

O governo da Turquia irá lançar novas operações militares contra insurgentes curdos, mesmo que Ancara continue a manter o diálogo com Abdullah Ocalan, o líder da insurgência separatista que cumpre pena de prisão perpétua perto de Istambul. A informação partiu de funcionários graduados do governo.

AE, Agência Estado

04 de janeiro de 2013 | 16h21

Na semana passada, o governo confirmou que a agência de inteligência (espionagem) da Turquia estava mantendo conversas com Ocalan para que ele convença o grupo que liderou, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo) a se desarmar. Ocalan, capturado no final dos anos 1990 pela espionagem turca, foi condenado em 1999 à prisão perpétua. Ele desconta a pena na ilha prisão de Imrali, no Mar de Mármara.

Mesmo com as negociações, funcionários turcos disseram nesta sexta-feira que as operações não serão interrompidas por muito tempo. O exército turco luta contra o PKK desde 1984, quando começou a rebelião armada dos curdos, majoritários em províncias do sudeste e leste da Turquia. O conflito deixou pelo menos 30 mil mortos desde então.

Yalcin Akdogan, conselheiro militar do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, disse hoje que "não está em questão a suspensão das operações militares" contra o PKK. "As políticas de segurança, nesse contexto, permanecem como um fator complementar", afirmou Akdogan.

Até agora, o governo turco não revelou nenhum detalhe sobre as negociações com Ocalan e também não se sabe o que Ancara ofereceu aos curdos, para que eles escolham o desarmamento na Anatólia.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.