Turquia: crise pode desestabilizar Mar Negro e Eurásia

A crise na Crimeia tem potencial para causar um "efeito dominó" que pode ameaçar a estabilidade da região do Mar Negro e da Eurásia, afirmou Ahmet Davutoglu, ministro de Relações Exteriores da Turquia.

AE, Agência Estado

17 de março de 2014 | 14h17

Durante uma entrevista à imprensa junto com Mustafa Dzhemilev, membro do Parlamento da Ucrânia, Davutoglu disse que a mudança das dinâmicas na Crimeia pode afetar Moldova, Azerbaijão e Geórgia, ex-estados soviéticos com populações russas minoritárias que ficam em importantes rotas de transporte de produtos de energia.

"Isso vai abrir caminho para uma crise em muitos outros países", disse o ministro turco. "Se isso for permitido agora, toda a região vai se desestabilizar em um efeito dominó", acrescentou. Davutoglu destacou que a Turquia considera inaceitável que a união territorial de um país da região seja comprometida por um referendo.

O Parlamento da Crimeia aprovou hoje a proclamação da região como um estado independente e formalmente pediu permissão da Rússia para voltar a se unir ao país como uma república, depois de um referendo ontem resultar no apoio da maioria da população local a um rompimento com a Ucrânia.

"Esse referendo não tem legitimidade. A Ucrânia é nosso parceiro estratégico. Sua união territorial está sendo violada", disse Davutoglu. Cerca de 260 mil tártaros da Crimeia, um grupo de turcos étnicos e muçulmanos sunitas, vivem na Ucrânia. No entanto, embora a Turquia tenha repetidamente declarado sua solidariedade aos tártaros da Crimeia, o país possui laços vitais com a Rússia e é altamente dependente do gás natural daquele país. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
ucrâniaturquiacrimeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.