AP Photo/Lefteris Pitarakis
AP Photo/Lefteris Pitarakis

Turquia detém 65 suspeitos após atentado suicida em Istambul

Entre os presos estão 3 russos e 15 sírios acusados de envolvimento com o grupo terrorista Estado Islâmico; autoridades foram alertadas em dezembro sobre possíveis ataques a turistas

O Estado de S. Paulo

13 Janeiro 2016 | 10h54

ANCARA - Um total de 65 pessoas, entre elas 3 russos e 15 sírios, acusadas de envolvimento com o grupo jihadista Estado Islâmico (EI), foram detidas nesta quarta-feira, 13, após o atentado suicida atribuído a esse grupo radical que deixou 10 turistas - a maioria alemães - mortos na terça-feira em Istambul.

Segundo a agência de notícias "Dogan", entre os suspeitos estão 3 russos que foram detidos em Antalya, no litoral mediterrâneo, além de 15 sírios e 1 cidadão turco que foram detidos em Ancara. As forças de segurança apreenderam documentos nos locais onde ocorreram as detenções.

A polícia suspeita que os detidos em Ancara nesta manhã estavam recolhendo informação sobre edifícios públicos na capital. Os 15 sírios foram entregues à polícia de estrangeiros para ser deportados.

A batida policial de maior envergadura dentro desta série de operações aconteceu em Sanliurfa, perto da fronteira com a Síria, onde 21 suspeitos foram detidos. 

Em Kilis, justo na fronteira síria, foram detidos outros 4 estrangeiros que teriam chegado da Síria e são acusados de pertencerem ao EI. Dois deles são menores de idade e foram entregues aos parentes, enquanto os dois adultos foram acusados de filiação ao grupo terrorista.

Outros 21 suspeitos foram detidos em cidades da província Mersin, na vizinha Adana e em Diyarbakir, a principal cidade das regiões de maioria curda. 

Na terça-feira, um homem-bomba, que possivelmente entrou na Turquia recentemente vindo da Síria, matou nove turistas alemães e um peruano na histórica praça turca de Sultanahmet, grande ponto turístico. Quinze pessoas também ficaram feridas no ataque. 

Até o momento, nenhum grupo reivindicou a responsabilidade pela explosão em Istambul, mas militantes islâmicos, esquerdistas e curdos que lutam em Ancara, realizaram ataques semelhantes no passado.

Alertas. Os serviços de inteligência turcos advertiram em meados de dezembro que o EI estava preparando ataques contra estrangeiros na Turquia, publicou nesta quarta-feira o jornal "Hürriyet".

"A organização terrorista EI está planejando ações com terroristas suicidas contra não muçulmanos residentes na Turquia, cidadãos estrangeiros, regiões turísticas, lugares visitados frequentemente por estrangeiros ou contra embaixadas, consulados e centros da Otan", dizia a advertência.

A nota foi redigida pela Organização Nacional de Inteligência (MIT) e datada de 17 de dezembro, segundo o "Hürriyet". O jornal indicou que a MIT advertiu que terroristas suicidas tinham entrado no país e chegado a Ancara e a Istambul.

Essas advertências foram distribuídas entre os corpos de segurança, as unidades antiterroristas nas duas cidades e postos policiais na fronteira. No alerta, o MIT pedia que se averiguasse e perseguisse os suspeitos já conhecidos pela polícia. A maioria deles, incluídos dez homens e nove mulheres, eram de origem síria.

Em uma nova advertência, esta de 4 de janeiro, a inteligência turca prevenia países estrangeiros, incluídos Alemanha, Holanda e França, contra possíveis ataques e entregava o nome de 13 potenciais terroristas suicidas. / EFE, REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.