Turquia diz que invadiu Iraque com "propósitos humanitários"

A Turquia confirmou a presença de suas tropas no Iraque. Depois de uma região ministerial, o porta-voz Cemil Cicek disse que a "Turquia está no Iraque e que ficará lá por causa das preocupações terroristas e por propósitos humanitários". A Turquia tem alguns milhares de soldados estacionados no norte do Iraque desde o final da década de 1990, mas quer aumentar sua presença militar na região. Os EUA alertaram a Turquia para não enviar mais tropas para a região, dizendo que isso poderia levar a incidentes de fogo amigo com as forças da coalizão EUA-Reino Unidos e choques com os curdos iraquianos. A Turquia teme que a queda do presidente do Iraque, Saddam Hussein, possa levar à criação de um estado independente do Curdistão. As forças curdas iraquianas alertaram que haverá confronto se a Turquia enviar suas tropas para a região. Safeen Dizayee, oficial do Partido Democrático do Curdistão, que controla o norte do Iraque, disse que se a Turquia e os EUA chegarem a um acordo para aumento da presença militar turca na região, isso não será aceito pelos curdos iraquianos.O jornal turco Zaman informou que Washington estabeleceu condições para uma incursão da Tuquia, que seria limitada no tempo e no tamanho das tropas. Oficiais turcos não comentaram a matéria do jornal. Um diplomata ocidental disse que os EUA ainda têm esperança de convencer a Turquia que suas preocupações podem ser resolvidas sem o envio de tropas para o norte do Iraque. Um enviado especial dos EUA retornou à Turquia para negociar com o governo turco seus planos de invasão do Iraque. O enviado norte-americano, Zalmay Khalilzad, acompanhado pelo embaixador dos EUA, Robert Pearson, e outros oficiais encontraram-se hoje com o vice-subsecretário de Relações Exteriores da Turquia, Ali Tuygan.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.