Turquia notificou França duas vezes sobre homem-bomba de Paris

Alto funcionário do governo diz que seu país enviou dados de Ismael Omar Mostefai e outros 4 suspeitos para Paris em dezembro e em junho, mas só obteve uma resposta depois dos ataques

O Estado de S. Paulo

16 de novembro de 2015 | 17h20

ANCARA - A Turquia passou informações à França por duas vezes, em dezembro de 2014 e junho 2015, sobre um dos responsáveis pelos ataques em Paris que mataram pelo menos 129 pessoas, disse um alto funcionário do governo turco nesta segunda-feira, 16.

No entanto, somente depois dos ataques de sexta-feira a Turquia recebeu um pedido de informação da França sobre Ismael Omar Mostefai, disse o funcionário turco. Mostefai entrou na Turquia em 2013, mas não há nenhum registro de sua saída.

Natural de Chartres, a sudoeste de Paris, Mostefai, tinha 29 anos e é o único militante formalmente apontado pela polícia na França. Ele foi identificado pela impressão digital de um de seus dedos, cortado quando seu colete suicida explodiu.

A Turquia recebeu um pedido de informações da França em 10 de outubro de 2014 sobre quatro suspeitos de terrorismo e, durante investigação, identificou Mostefai como um quinto militante, disse o funcionário. Além disso, Ancara notificou por duas vezes a França sobre suas conclusões, mas só ouviu falar dele novamente depois dos ataques de sexta-feira, segundo as autoridades.

A troca de informação entre os serviços secretos europeus e turcos é habitual, principalmente quando se trata de dados para Ancara impedir a entrada a europeus considerados possíveis simpatizantes de jihadistas que tentam chegar à Síria pela Turquia.

Sob pressão dos aliados ocidentais para aumentar seu combate ao Estado Islâmico, a Turquia abriu suas bases aéreas para a coalizão liderada pelos Estados Unidos em julho e reforçou os controles nas fronteiras para tentar conter o fluxo de jihadistas estrangeiros. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.