Issei Kato/Reuters
Issei Kato/Reuters

Turquia e Japão também expulsam diplomatas sírios

Assassinatos em Houla fizeram com que países ocidentais tomassem tais medidas

AE, Agência Estado

30 Maio 2012 | 11h13

ANCARA, TURQUIA - Turquia e Japão também expulsaram diplomatas sírios nesta quarta-feira, 30, unindo-se ao grupo de vários países que tomaram a mesma medida na terça-feira, em protesto contra o massacres de 108 civis na Síria no final de semana.

Veja também:

linkEUA expulsam encarregado de negócios sírio após massacre em Houla

linkEspanha segue França e Alemanha e expulsa embaixador da Síria

Na terça-feira, alguns países declararam que medidas punitivas e até mesmo militares poderiam se implantadas em relação à Síria. Mas nesta quarta-feira o governo alemão disse que não há fundamentos para a especulação sobre opções militares, um dia depois de o presidente francês François Hollande ter dito que o uso da força não estava descartado.

"Do ponto de vista do governo federal, não há razão para especular sobre opções militares em relação à situação na Síria", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores alemão em coletiva de imprensa.

Já a Rússia disse nesta quarta-feira que a expulsão "contraproducente" de enviados sírios por vários países ocidentais vai apenas prejudicar os esforços para encerrar a crise na Síria. "A expulsão de diplomatas sírios de importantes Estados ocidentais parece contraproducente para nós. Afinal, canais vitais diplomáticas...acabam sendo fechados", disse o Ministério de Relações Exteriores em comunicado.

Os assassinatos em Houla fizeram com que vários países ocidentais expulsassem diplomatas sírios. Alguns deles, como Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália, França, Alemanha. Itália, Espanha e Bulgária ordenaram que os diplomatas partissem na própria terça-feira.

Meios de comunicação estatais sírios criticaram as expulsões nesta quarta-feira, qualificando a medida como uma "histeria sem precedentes".

A Turquia, vizinha da Síria e antiga aliada, se uniu ao grupo nesta quarta-feira. O país tem sido um dos mais críticos ao regime de Assad e fechou sua embaixada em Damasco em março e retirou seu embaixador. Seu consulado em Alepo permanece aberto.

O Ministério de Relações Exteriores disse que ordenou que o agente diplomático e outros diplomatas da embaixada Síria em Ancara deixassem o país em 72 horas.

"Está fora de questão permanecer em silêncio e não reagir em razão dessa ação, que representa um crimes contra a humanidade", disse o Ministério em comunicado divulgado nesta quarta-feira.

O Japão também ordenou que o embaixador sírio em Tóquio deixasse o país por causa da violência contra civis sírios. O ministro de Relações Exteriores japonês, Koichiro Genba, afirmou, porém, que seu país não está encerrando relações diplomáticas com a Síria.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Síria diplomatas expulsão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.