Turquia: Erdogan ameaça levar Constituição a referendo

O partido governista da Turquia vai tentar reescrever a Constituição e levá-la a um referendo, se a comissão parlamentar encarregada do tema não apresentar uma proposta até o final de março, disse hoje o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, ao colocar pressão sobre os parlamentares.

Agência Estado

30 de janeiro de 2013 | 21h25

Em jogo estão quase dois anos de trabalho para substituir a Constituição adotada dois anos após o golpe militar de 1980 - uma Constituição que tem sido criticada pelos políticos e a maioria da população como antidemocrática. Erdogan sugeriu que os membros de todos os quatro partidos políticos no Parlamento estão protelando a definição.

"Nosso desejo é que o trabalho sobre a Constituição seja concluído até o final de março", afirmou Erdogan. "Caso contrário, a nossa proposta será adicionada à agenda parlamentar", avisou aos parlamentares de seu partido. "Se não há compromisso, levaremos a nova Constituição a referendo, a partir do momento que tivermos garantido apoio parlamentar."

Não será fácil para Erdogan caminhar sozinho nessa empreitada, dizem analistas. Ele tem quatro votos a menos do que os 330 necessários para levar a Constituição a referendo e ainda seria necessário o apoio dos três partidos de oposição no Parlamento de Ancara. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaErdoganConstituição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.