AFP PHOTO / Saleh ABO GHALOUN
AFP PHOTO / Saleh ABO GHALOUN

Turquia exige que EUA retirem apoio a curdos na Síria

Chanceler turco diz que país evita confronto com russos e americanos, mas fará tudo para preservar sua segurança

O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2018 | 21h08

O ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, exigiu nesta terã-feira, dia 23, que os Estados Unidos retirem o apoio aos curdos que vivem na fronteira turca com a Síria – que têm sido atacados por ar e terra pela Turquia desde sábado. O chanceler disse que Ancara tenta evitar qualquer tipo de confronto direto contra forças americanas e russas em sua ofensiva, mas fará o que considerar necessário para preservar sua segurança.

+ Autoridades curdas pedem que população se mobilize para defender região no norte da Síria

O Exército turco anunciou na terça-feira, dia 23, que matou 260 integrantes da milícia curda Unidade de Proteção Popular (YPG) e do grupo terrorista Estado Islâmico nos ataques que tem realizado na região de Afrin, no noroeste da Síria. De acordo com um relatório da ONU, cerca de 5 mil civis haviam fugido da região até a segunda-feira.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, conversou na terça-feira, dia 23, por telefone com seu colega russo, Vladimir Putin, que apoia o governo de Bashar Assad. O Kremlin informou que os líderes “enfatizaram a importância da continuidade do trabalho ativo conjunto para encerrar a crise, que deveria ter como base a preservação da soberania da Síria e sua integridade territorial”. 

+ Para entender: Os rebeldes sírios envolvidos na operação turca na Síria

De acordo com o chanceler turco, Erdogan discutirá o assunto nesta quarta-feira, dia 24, com o presidente americano. “(Donald) Trump quer conversar com nosso presidente”, disse Cavusoglu. A ofensiva militar da Turquia contra os curdos ameaça contrapor Washington e Ancara, tradicionais aliados da Otan. O presidente da França, Emmanuel Macron, que também integra a aliança militar, telefonou para o líder turco e pediu moderação. 

A milícia YPG – considerada terrorista por Ancara – afirmou que um ataque das forças turcas deixou três mortos na terça-feira, dia 23, em Ras al-Ayn, cerca de 200 quilômetros a oeste de Afrin.

Jihadismo. A aliança liderada pelos EUA, que combate o grupo jihadista Estado Islâmico na Síria, com a ajuda da YPG, anunciou que cerca de 150 terroristas foram mortos em ataques da coalizão a Al-Shafah, no vale do Rio Eufrates. / REUTERS e AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.