Press Presidency Press Service via AP
Press Presidency Press Service via AP

Turquia fecha compra de sistema antiaéreo da Rússia

Compra de material militar, em particular de um sistema de defesa antimísseis, de um fornecedor que não pertence à Otan, deve irritar aliados

O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2017 | 12h08

ANCARA - A Turquia, país membro da Otan, assinou um acordo com a Rússia para comprar o sistema de defesa antimísseis S-400, a maior aquisição de armamento russo por Ancara até hoje.

"Assinamos um acordo para a compra do S-400 da Rússia. Um depósito já foi feito", afirmou o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

O presidente turco disse que ele e seu colega russo, Vladimir Putin, estão "decididos a seguir adiante com a questão". A declaração foi feita aos jornalistas a bordo do avião que o transportava do Cazaquistão para a Turquia.

A compra de material militar, em particular de um sistema de defesa antimísseis, de um fornecedor que não pertence à Otan provocará perguntas entre os membros da Aliança Atlântica, como por exemplo sobre a compatibilidade do equipamento.

O Pentágono expressou inquietação com a operação e afirmou que "geralmente é uma boa ideia" que os aliados da Otan comprem material "interoperável".

Erdogan defendeu a soberania do país com a compra de material militar em função das necessidades de equipamento.

"Tomamos as decisões sobre nossa própria independência, somos obrigados a tomar medidas de segurança para defender nosso país", disse.

O governo russo confirmou o acordo. O conselheiro de Putin para a Cooperação Técnica e Militar, Vladimir Kozhin, disse que "o contrato foi assinado e tudo está sendo preparado para sua implementação".

Kozhin destacou que o S-400 é um dos sistemas de armamentos mais complexos.

"Posso garantir que todas as decisões tomadas sobre este contrato cumprem com nossos objetivos estratégicos", afirmou, segundo a agência russa TASS.

"Por este motivo entendemos perfeitamente as reações de vários países ocidentais que tentam pressionar a Turquia", completou.

As relações entre a Rússia e vários aliados da Otan são tensas desde a crise ucraniana e a anexação da Crimeia por Moscou.

As relações de Ancara, membro da Otan desde 1952, com Washington se deterioraram em consequência de uma série de interesses contrários, como o apoio dos Estados Unidos às milícias curdas da Síria, que a Turquia considera grupos terroristas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.