Turquia fecha embaixada e prevê zona de segurança síria

Tropas do governo sírio mantiveram a pressão sobre a cidade de Homs, na Síria central, nesta segunda-feira, em confrontos que deixaram pelo menos 19 mortos, segundo grupos de ativistas, no mesmo dia em que o governo da Turquia anunciou o fechamento da sua embaixada em Damasco e declarou que existe a opção de ser criada uma "zona de segurança" no norte da Síria para abrigar refugiados que fogem do conflito civil sírio. A Turquia já abriga 17 mil refugiados sírios na província de Hatay. Também nesta segunda-feira, o escritório do enviado especial da Liga Árabe e das Nações Unidas para a Síria, Kofi Annan, disse que recebeu a resposta do governo sírio sobre o plano de pacificação de seis pontos para acabar com a violência. Até o fechamento dessa edição, Annan não havia se manifestado sobre a resposta.

BEIRUTE, Agência Estado

26 Março 2012 | 19h14

A Turquia fechou sua embaixada em Damasco nesta segunda-feira por causa da deterioração das condições de segurança na Síria, informou uma fonte diplomática turca. "As atividades na embaixada turca foram suspensas a partir desta manhã", disse a fonte, sob condição de anonimato, acrescentando que todos os funcionários diplomáticos deixaram a capital síria. Também nesta segunda-feira, um funcionário da chancelaria turca indicou que um posterior aumento no número de refugiados vindos da Síria poderá compelir Ancara, de preferência com apoio internacional, a estabelecer uma zona tampão dentro da fronteira síria para garantir a segurança da sua própria fronteira sul, bem como dos refugiados que escapam da violência. "Por enquanto, essa é apenas uma opção. Nada foi decidido", disse o funcionário em Ancara sob anonimato.

A criação de uma zona de segurança no norte sírio, na província fronteiriça de Idlib, envolveria a mobilização de milhares de soldados turcos e aumentaria muito o potencial de confrontos com soldados regulares sírios. A Turquia já adotou uma tática semelhante em 1991, quando enviou milhares de soldados para o norte do Iraque, no momento em que milhares de curdos iraquianos fugiam da ação das tropas de Saddam Hussein logo após a primeira Guerra do Golfo, quando as tropas do então ditador iraquiano foram expulsas do Kuwait e ele se voltou contra os curdos iraquianos. "Ninguém sabe o que aconteceria em uma eventualidade como essas" disse o funcionário turco, alertando para a possibilidade do conflito sírio se agravar e de milhares de pessoas tentarem cruzar a fronteira para fugirem de massacres.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.