Erdem Sahin / EFE / EPA
Erdem Sahin / EFE / EPA

Turquia fecha via marítima, mas mantém fronteira para a Grécia aberta

Cerca de 1.500 pessoas chegaram às ilhas gregas desde que o país vizinho anunciou que não barraria imigrantes

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2020 | 16h00

ISTAMBUL -Uma semana depois de anunciar a abertura de suas fronteiras para os imigrantes que gostariam de ir para a União Europeia, a Turquia fechou a rota marítima, mas continua a deixar a passagem livre na fronteira terrestre para a Grécia.

Neste sábado, a Guarda Costeira turca interceptou 120 migrantes e refugiados, incluindo 30 menores, na costa do mar Egeu de Smyrna, quando se preparavam para atravessar a ilha grega de Lesbos.

Eles foram presos e transferidos para a província de Edirne, na fronteira com a Grécia, onde Ancara pretende concentrar os milhares de refugiados que desejam deixar o país, segundo a agência Demirören.

"Embora o princípio de não interferência se aplique a todos os imigrantes que tentam deixar a Turquia, ele não inclui travessias marítimas devido ao risco de vida que elas representam", disse a Guarda Costeira da Turquia ontem em um tweet, indicando ordens diretas do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Cerca de 1.500 pessoas chegaram às ilhas gregas desde que a Turquia anunciou a abertura de suas fronteiras, segundo dados da Acnur. Uma criança morreu afogada na última segunda-feira, 2, após um barco de imigrantes virar no litoral da Grécia.

Tensão com Bruxelas

O ministro do Interior turco Süleyman Soylu novamente criticou a Grécia neste sábado, 7, por repelir a entrada de refugiados e imigrantes e acusou o governo de Atenas de violar a Convenção de Genebra sobre direitos humanos e os tratados da União Europeia sobre imigração, ao suspender pedidos de asilo por um mês.

"Isso é apenas o começo. O clima está ficando mais quente e há mais de 200 quilômetros na fronteira com a Grécia", disse Soylu hoje. "O canal (do Evros) diminuiu cerca de 45 centímetros. Pode ser atravessado a pé. (O primeiro-ministro grego Kyriakos) Mitsotakis não pode manter as fronteiras", alertou.

As autoridades turcas insistem que a União Europeia não entendeu "o fardo" de hospedar 3,5 milhões de refugiados e continua a pedir maior apoio aos seus vizinhos.

Atualmente, os contatos com as autoridades europeias se intensificaram e após a visita em Ancara do chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell; e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, Erdogan planeja viajar na próxima segunda-feira para Bruxelas. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Grécia [Europa]Turquiaimigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.