Turquia fronteira com Síria ao comércio

A Turquia bloqueou a passagem de caminhões na fronteira com a Síria nesta quarta-feira, fechando uma linha de suprimentos vital para o sírios. O ministro da Economia turco, Zafer Caglayan, afirmou que apesar dos veículos não poderem mais entrar no vizinho, nenhuma restrição foi imposta nos veículos vindos da direção contrária.

AE, Agência Estado

25 de julho de 2012 | 10h42

"Nós temos sérias preocupações com a segurança dos caminhoneiros turcos em relação à sua entrada e saída da Síria", disse o ministro, acrescentando que já houve uma queda de 87% nas travessias de caminhões neste ano.

A Turquia era aliada da Síria antes do início da revolta contra o regime do presidente Bashar Assad, 16 meses atrás. Mas Ancara tornou-se um crítico feroz e seu território ao longo dos 911 quilômetros de fronteira é utilizado como ponto de apoio para os rebeldes bem como abrigo para os milhares de refugiados que fogem da violência.

A obstrução privará a Síria de uma importante rota de importações. Dezenas de caminhões turcos foram saqueados ou queimados quando rebeldes capturaram o posto de fronteira de Bab al-Hawa na semana passada. Caminhoneiros turcos também foram pegos no fogo cruzado e foram alvos de ataques na guerra civil.

Em Washington, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Rodham Clinton, expressou confiança no avanço dos rebeldes, dizendo que estão tomando mais e mais território. "Isso eventualmente resultará em uma área segura dentro da Síria, que então servirá de base para futuras ações da oposição", disse ela na terça-feira.

A principal batalha no país está acontecendo a apenas 60 quilômetros da fronteira com a Turquia, na cidade comercial de Alepo, a maior da Síria, que foi atacada no sábado por uma aliança de forças rebeldes. Eles infiltraram-se em vizinhanças simpáticas à sua causa no norte e sul da cidade e estão movendo-se gradualmente em direção ao centro histórico. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
TurquiaSíriafronteira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.