Turquia julgará generais que desfecharam golpe de 1980

Um tribunal turco aceitou nesta terça-feira o indiciamento de dois ex-líderes militares do golpe de 1980, abrindo o caminho para um julgamento que pelo menos simbolicamente marcará o fim da longa tutela que os militares tiveram sobre a política turca após a redemocratização em 1989. Os dois foram indiciados por "crimes contra o Estado". Não está claro quando os julgamentos começarão. Embora a junta militar tenha renunciado em 1982, um dos dois indiciados hoje, o general Kenan Evren, governou como presidente biônico até 1989, quando ocorreu a redemocratização.

AE, Agência Estado

10 de janeiro de 2012 | 20h47

Após o golpe de 1980, cerca de 100 mil pessoas foram julgadas por tribunais militares e dezenas de milhares de turcos fugiram para a Europa, principalmente à Alemanha, onde permanecem como refugiados políticos. Milhares de homens e mulheres detidos foram torturados e pelo menos 50 opositores, de esquerda e de direita, foram enforcados.

O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que a decisão é um passo importante em direção a uma "nova Turquia". A decisão significa que apenas os dois líderes sobreviventes do golpe de 1980 irão a julgamento: o ex-chefe de Estado-Maior, o general Kenan Evren, de 94 anos, e o ex-general Tahsin Sahinkaya, de 86 anos.

Os promotores turcos pedem sentenças de prisão perpétua para Evren e Sahinkaya, sem direito a liberdade condicional, informa o Wall Street Journal. O golpe militar de 1980 foi o terceiro que a Turquia sofreu desde 1923, quando a república foi proclamada e o califado abolido. Embora após a redemocratização os militares tenham perdido força, em 1997 eles conseguiram afastar, com pressões políticas, o primeiro premiê que seguia um partido de raízes islâmicas.

O julgamento dos militares que desfecharam o golpe de 1980 só se tornou possível porque no ano passado a população aprovou em referendo as mudanças na Constituição de 1982, a qual garantia imunidade para os militares que participaram do golpe.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.