Turquia não reconhecerá Chipre como presidente da UE

A Turquia disse que não participará de nenhum evento da União Europeia (UE) enquanto o Chipre ocupar a presidência rotativa do bloco europeu, o que deverá acontecer a partir de 1º de julho e até o final deste ano, disse nesta quinta-feira o chanceler da Turquia, Ahmet Davutoglu. Ele disse que seu país, contudo, continuará a colaborar com a UE, à qual espera aderir no futuro.

AE, Agência Estado

07 de junho de 2012 | 19h43

A Turquia não reconhece o governo do Chipre como nação soberana. A ilha está dividida desde 1974, na República do Chipre no centro-sul e no norte turco-cipriota, cuja República Turca do Norte do Chipre (RTNC) é reconhecida apenas por Ancara. O Chipre passou a fazer parte da UE em 2004.

"As relações entre a Turquia e a UE, bem como os contatos políticos, continuarão como estão" disse Davutoglu em coletiva de imprensa ao lado da chefe de política externa do bloco europeu, Catherine Ashton, e do comissário de expansão da UE, Stefan Fule. "Mesmo assim, nenhum ministro ou organização da República da Turquia tomará parte em qualquer atividade que for presidida pelo sul do Chipre", disse o chanceler turco.

A Turquia começou suas negociações para acesso à UE em 2005, mas houve pouco progresso, graças à oposição do Chipre e do ex-presidente francês Nicolas Sarkozy. Com a eleição de François Hollande em 6 de maio, a Turquia espera que a França não faça mais objeções à sua adesão no futuro.

"A Turquia avançará com determinação no seu curso em direção à UE", disse o ministro turco encarregado dos assuntos europeus, Egemen Bagis, nesta quinta-feira.

Ashton, por sua vez, agradeceu à Turquia a acolhida que o país deu a 27 mil refugiados sírios, que fugiram da violência do regime de Bashar Assad desde o ano passado.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.