Karim Kadim/AP
Karim Kadim/AP

Turquia não tem planos de extraditar vice-presidente iraquiano

Iraque acusa Al-Hashemi de terrorismo, dizendo que ele dirigiu e financiou esquadrões da morte

AE, Agência Estado

09 Maio 2012 | 14h01

ISTAMBUL - O governo da Turquia disse nesta quarta-feira, 9, que não tem planos para extraditar o vice-presidente do Iraque, Tariq al-Hashemi, que está em território turco, mesmo depois de a Interpol tê-lo colocado em sua lista de mais procurados.

O Iraque acusa Al-Hashemi de terrorismo, dizendo que ele dirigiu e financiou esquadrões da morte que tinham como alvo funcionários do governo, forças de segurança e peregrinos xiitas.

Al-Hashemi, que é sunita, diz que as acusações são falsas e motivadas por rivalidade política com a liderança xiita de Bagdá.

O vice-primeiro-ministro da Turquia, Bekir Bozdag, disse que Al-Hashemi está na Turquia para tratamento médico e que seu país não tem planos de extraditá-lo. "Não tenho certeza se haverá uma nova avaliação no futuro", disse Bozdag. "Mas como governo, nossa posição sobre isso é muito clara. Não vamos extraditar alguém a quem estamos dando apoio."

O ministro também disse que a Turquia não recebeu cooperação suficiente do Iraque para a detenção dos partidários do grupo rebelde curdo Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que realizou ataques dentro da Turquia a partir de bases no norte do Iraque.

A Interpol disse em seu site que emitiu um "alerta vermelho" para Aal-Hashemi, respondendo a um pedido de Bagdá. Um alerta vermelho da Interpol pede a prisão de uma pessoa com vistas à sua eventual extradição. Os alvos de alertas vermelhos fazem parte da lisa de mais procurados da organização.

O secretário-geral da Interpol, general Ronald K. Noble, disse que o alerta vermelho para Al-Hashemi "vai restringir significativamente sua capacidade de viajar e cruzar fronteiras internacionais".

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.