Turquia organiza reunião para tentar evitar ataque ao Iraque

Por iniciativa da Turquia, vários países muçulmanos participarão no mais tardar no fim do mês de uma conferência de chanceleres para tratar da crise iraquiana e unir esforços para impedir uma guerra no Golfo Pérsico. A atividade diplomática intensificou-se nos países da região e nesta segunda-feira fontes no governo do Paquistão confirmaram que o país foi convidado a participar da reunião e disseram que o objetivo, de fato, é tentar convencer o presidente do Iraque, Saddam Hussein, a renunciar, em troca do compromisso de assegurar-lhe imunidade contra processos. Zafarula Kham Jamali, um assessor do governo paquistanês, informou que empreenderá esta semana uma viagem pelas nações do Golfo Pérsico para analisar que papel seu país poderá desempenhar para pôr fim à crise. No domingo, os secretários de Defesa, Donald H. Rumsfeld, e Estado dos EUA, Colin Powell, declararam, em diferentes entrevistas, que a saída de Saddam do poder poderia evitar uma guerra na região. Rumsfeld disse que os EUA concordariam em conceder imunidade a Saddam e outros altos difirgnetes iraquianos contra processos por crimes de guerra. A proposta foi qualificada como "muito sensata" pelo chanceler britânico, Jack Straw, embora considere "desagradável" a concessão de imunidade a Saddam. Artigos na imprensa ocidental e árabe especulam que os líderes podem fazer um apelo ao presidente do Iraque, Saddam Hussein, para que renuncie como meio de prevenir um conflito armado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.