Turquia permite inspeção militar dos EUA

A Turquia concedeu permissão nesta sexta-feira para que militares dos Estados Unidos inspecionem seus portos e bases aéreas em preparação para uma possível guerra contra o Iraque. A inspeção nos portos e bases aéreas turcas, que deverá começar na segunda-feira, é um primeiro passo em direção a uma presença militar americana na Turquia, com vistas a um possível ataque ao Iraque. A Turquia, país aliado da Otan, havia demonstrado relutância em apoiar qualquer operação militar contra o país vizinho, especialmente porque pesquisas mostraram que 80% dos turcos são contra a guerra.A aprovação dada pelo primeiro-ministro Abdullah Gul às inpeções das bases turcas ocorre em meio a insinuações de que os EUA estariam frustrados, sentindo que a Turquia havia sido lenta na aprovação do uso de suas bases. A alta hierarquia das Forças Armadas turcas havia advertido que a demora poderia prejudicar as relações entre Ancara e Washington.Embora seja quase certo que a aprovação das inspeções será bem recebida em Washington, ela ocorre mais de um mês depois da permissão inicial da Turquia. As inspeções foram adiadas devido a um desacordo sobre o status legal do pessoal dos EUA que levará adiante os procedimentos e ainda não está claro quanto tempo mais se passará antes da Turquia decidir sobre a instalação de soldados dos EUA em seu território. Se for dada a permissão para o estacionamento de tropas americanas, ela ainda deverá ser aprovada pelo Parlamento, onde o tema poderá enfrentar forte oposição.Anteriormente, o governo turco havia descartado tomar uma decisão sobre o uso de suas bases e seu território até que os inspetores de armas da ONU apresentassem um relatório sobre as investigações no Iraque. "Está tudo sob controle, é verdade. Já assinei a decisão", disse Gul. O acordo foi assinado hoje à tarde por oficiais americanos e turcos. A equipe de inspetores terá 150 pessoas e o tempo previsto para o trabalho é de 10 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.