Turquia prende diretora da Anistia Internacional no país e ONG pede libertação imediata

Idil Eser foi detida junto a outros ativistas de direitos humanos; organização qualificou as ações policiais de ‘abuso grotesco de poder’

O Estado de S.Paulo

06 Julho 2017 | 11h07

ANCARA - A organização Anistia Internacional pediu nesta quinta-feira, 6, a libertação imediata de um grupo de ativistas de direitos humanos que foram detidos pela polícia turca quando participavam de um curso em uma ilha próxima a Istambul.

Oito ativistas, entre eles a diretora da Anistia Internacional na Turquia, Idil Eser, e dois instrutores - um alemão e um sueco - foram presos pelos agentes no hotel em que estavam hospedados na noite de quarta-feira, segundo o jornal turco Hurriyet. Até o momento, não se sabe o motivo das prisões. O dono do hotel também foi preso.

A organização qualificou as ações policiais de “abuso grotesco de poder (que) destaca a situação precária que os ativistas dos direitos humanos enfrentam” no país.

A Turquia lançou uma ampla repressão desde a tentativa fracassada de golpe de Estado ocorrida em julho de 2016. Desde então, cerca de 50 mil pessoas foram presas e mais de 100 mil foram demitidas de seus empregos no governo. Inicialmente, a ofensiva centrou-se em indivíduos suspeitos de ter vínculos com a ação, mas depois foi ampliada para outros nomes críticos ao governo. / ASSOCIATED PRESS e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.