Turquia retoma negociação para aderir à União Europeia

Ex-presidente da França Nicolas Sarkozy dizia que país não fazia parte da Europa

AE, Agência Estado

16 de maio de 2012 | 15h08

ANCARA - A Turquia mostrou interesse renovado às vésperas da reabertura das negociações para sua oferta de adesão à União Europeia (UE), que deverão começar na quinta-feira, agora que seu principal oponente, Nicolas Sarkozy, não é mais presidente da França.

A Turquia iniciou suas negociações para aderir à UE em 2005, mas houve pouco progresso na candidatura, principalmente por causa das divergências políticas entre a Turquia e o Chipre, que é membro do bloco desde 2004, e também da ferrenha oposição do ex-presidente francês Sarkozy. Ele argumentava que a Turquia, como país predominantemente muçulmano, não é parte da Europa. Sarkozy queria que a Turquia aceitasse algum tipo de parceria especial com o bloco europeu ao invés de ser um país membro, algo que a Turquia rechaçou.

Agora que o socialista François Hollande foi eleito presidente da França, a Turquia espera que ele seja mais simpático à ideia do país aderir à UE. A Turquia tem uma das economias que mais crescem no mundo e está se tornando novamente um poder regional no Oriente Médio.

Além da retomada das negociações com a UE para a adesão, o governo turco anunciou nesta semana que o Parlamento votará em breve uma série de leis desenhadas para avançar o pedido de adesão ao bloco europeu.

O comissário para expansão da UE, Stefan Fuele, deverá visitar a capital turca, Ancara, para anunciar o início das negociações técnicas informais entre o bloco europeu e o governo turco em oito áreas políticas sensíveis. O objetivo é deixar a Turquia mais próxima da adesão ao bloco no momento em que alguns Estados membros abrandaram suas objeções à adesão turca.

Quando as negociações para a Turquia aderir à UE começaram há sete anos, a Turquia era vista como um país cuja população dinâmica enriqueceria a UE cultural e economicamente, e também serviria como uma ponte para o mundo muçulmano. Mas os problemas econômicos na Europa e falta de entusiasmo europeu na expansão do bloco resultaram em uma crescente oposição à adesão da Turquia. Frustrada, a Turquia desacelerou suas reformas e concentrou seus esforços em obter um papel de liderança política no Oriente Médio.

"A Turquia está mudando, a União Europeia está mudando e a nova Europa não pode existir sem a Turquia", disse Egemen Bagis, ministro turco encarregado das relações com a UE. "Até agora, todos os países que iniciaram negociações com a União Europeia viraram membros plenos do bloco. A Turquia não será uma exceção", disse Bagis. O presidente turco Abdullah Gul deverá ter uma reunião com Hollande na próxima semana, durante a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Chicago.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.