Turquia revela propostas para 'concretizar' democracia

O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou um pacote de propostas que visam organizar uma reforma democrática no país. Entre as medidas estão a suspensão de algumas restrições ao uso da linguagem curda e sobre os véus islâmicos.

AE, Agência Estado

30 de setembro de 2013 | 10h53

"A Turquia está progredindo em uma maneira irrevogável no caminho da democratização", disse o premiê, que chamou as reformas de um passo histórico para solidificar a democracia na Turquia.

A proposta de Erdogan permite que as escolas privadas tenham algumas aulas de linguagem curda. As reformas também permitem que as letras q, w e x, que fazem parte do alfabeto curdo, mas não do turco, sejam utilizadas nos documentos oficiais.

A lei gramatical aparentemente reduzida havia se tornado uma questão de discussão nacional em ambos os lados, obrigando os curdos, por exemplo, a escreverem seu festival de primavera tradicional "Newroz" na maneira turca "Nevroz". As restrições foram utilizadas para perseguir ativistas e jornalistas.

As propostas também amenizam restrições sobre as atividades políticas em

línguas diferentes do turco.

As propostas incluem um outro passo em direção a eliminação das restrições sobre a

uso de lenços e véus em estilo islâmico. A medida vai permitir que as mulheres que têm cargos públicos vistam as os tecidos para cobrir a cabeça. Erdogan disse que as restrições devem permanecer para juízes, promotores e militares e pessoal de segurança.

Algumas das reformas ainda precisam de aprovação parlamentar, mas com uma forte maioria, o partido de Erdogan pode aprová-las sem apoio da oposição. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
turquiareformascurdos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.