Turquia se manifesta contra lei francesa sobre genocídio armênio

A Turquia advertiu nesta sexta-feira a França de que as relações políticas e econômicas entre os dois países serão afetadas se o parlamento francês aprovar uma lei que condena a negação do genocídio armênio cometido pelo Império Otomano."A questão armênia envenenou as relações bilaterais no passado, mas a lei causará um dano irreparável em nossas relações", afirmou o porta-voz do ministério turco do Exterior, Namik Tan, em coletiva de imprensa.Tan disse que a aprovação da lei poderia por em perigo "as inversões frutos de anos de trabalho". O parlamento francês deve votar no dia 12 de outubro uma petição do partido Socialista para aprovar uma lei que condenaria a negação do genocídio armênio. Quando as discussões sobre a lei começaram, em maio, o premiê turco, Recep Tayip Erdogan, apoiado pelos líderes patronais e sindicais, pediu à França que suspendesse a questão pelo risco que levantava para as relações bilaterais. A comunidade armênia afirma que um milhão e meio de armênios foram assassinados de forma sistemática entre 1915 e 1917, e exige que os crimes sejam reconhecidos internacionalmente como genocídio.A Turquia alega que 300 mil armênios, e muitos outros turcos morreram durante confrontos civis que ocorreram quando os armênios tentaram reivindicar independência, com o apoio de tropas russas, nos últimos anos do Império Otomano, antecessor da Turquia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.