REUTERS/Alkis Konstantinidis
REUTERS/Alkis Konstantinidis

Turquia sugere construir três cidades na Síria para abrigar refugiados

Objetivo seria frear o êxodo de imigrantes à Europa; construções poderiam abrigar cerca de 300 mil pessoas

O Estado de S. Paulo

28 Setembro 2015 | 11h42

ISTAMBUL - A Turquia propôs à União Europeia (UE) nesta segunda-feira, 28, frear o êxodo de refugiados sírios rumo à Europa por meio da construção de três enormes cidades de casas pré-fabricadas em uma zona segura do norte da Síria, que poderiam abrigar 300 mil pessoas.

"Temos a capacidade: poderíamos estabelecer três cidades de casas pré-fabricadas, ou inclusive mais permanentes, para 100 mil pessoas cada uma; os senhores (a UE) arcariam com as despesas e nós as construiríamos", disse o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, em declarações publicadas no jornal Hürriyet.

Davutoglu situou essa zona segura em "uma faixa entre Yarabulus e Azaz", único setor da Síria fronteiriço com a Turquia sob domínio do Estado Islâmico (EI). Ele acrescentou que seria preciso arrebatar dos jihadistas e colocá-los sob controle do Exército Livre da Síria (ELS).

"A única via para criar uma zona de segurança passa pelos objetivos de fortalecer e reforçar os elementos moderados do Exército Livre da Síria. Estão sendo feitos enormes esforços para isto e o objetivo agora é repelir o EI", garantiu.

"Não queremos ver em nossas fronteiras o EI e nem o regime sírio", ressaltou Davutoglu em Nova York, onde participa da Assembleia-Geral da ONU.

O primeiro-ministro expressou também sua oposição a um processo de transição política na Síria que mantenha no poder o presidente Bashar Assad.

Davutoglu rejeitou tanto a sugestão europeia de construir mais campos de refugiados sírios na Turquia para reduzir o fluxo na Europa, como a proposta de destinar 1 bilhão de euros à ajuda de refugiados. /EFE

Mais conteúdo sobre:
imigração Turquia refugiados Sìria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.