Turquia suspende cooperação militar com a França

A Turquia suspendeu suas relações militares com a França como forma protesto pela aprovação de um projeto de lei pelo parlamento francês que condena a negação do genocídio armênio, segundo o comandante do Exército turco, Ilker Basbug. A Armênia acusa o exército Turco Otomano de ter matado 1,5 milhões de pessoas em 1915, fato que é veementemente negado pelo governo turco. Os dois países fazem parte da Otan, sendo que a França fornece armamentos aos turcos. Basbug, citado nesta quinta-feira pelos meios de comunicação turcos, afirmou que "as reuniões entre os altos militares dos dois países estão suspensas", sem dar mais detalhes sobre a decisão. A aprovação do parlamento francês, tomada em outubro e que deverá ser aprovada pelo Senado e pelo presidente da República para se tornar lei, foi duramente criticada na Turquia. O Parlamento turco advertiu em outubro que a decisão afetaria seriamente os interesses franceses no país caso se tornasse lei. O exército turco é o maior sócio do grupo OYAK, um dos principais grupos empresariais do país, que produz automóveis da marca francesa Renault na Turquia. As relações comerciais entre os dois países movimenta 10,5 bilhões de dólares, segundo informações da BBC. A disputa entre os dois países volta a colocar em discussão o ingresso da Turquia na União Européia, grupo em que a França é um membro importante. Alguns líderes europeus afirmam que o governo turco não dá sinais de progresso para entrar no grupo.

Agencia Estado,

16 Novembro 2006 | 11h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.