REUTERS/Charles Mostoller
REUTERS/Charles Mostoller

Turquia suspende funcionários da embaixada na Holanda por suspeita de vínculos com opositor

Governo turco obrigou o retorno ao país de cinco funcionários de alto escalão, que estão sendo investigados por laços com Fethullah Gulen

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2016 | 12h02

BRUXELAS - A Turquia suspendeu e obrigou o retorno ao país de cinco funcionários do alto escalão de sua embaixada na Holanda suspeitos de ter vínculos com o opositor Fethullah Gulen, a quem o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, culpa de estar por trás do fracassado golpe de Estado realizado em julho, confirmou um porta-voz da delegação, que não quis ser identificado.

O representante esclareceu que os trabalhadores não foram demitidos, como disse nesta segunda-feira, 8, o jornal Algemeen Dagblad, mas sim voltaram à Turquia como parte de uma investigação ainda em andamento. Caso fique provado que as suspeitas são infundadas, eles poderão voltar à embaixada.

"Nós também esperamos que possam voltar", afirmou o porta-voz, destacando que os funcionários do Ministério das Relações Exteriores da Turquia ainda não foram condenados.

Segundo ele, os cinco funcionários são os únicos na embaixada suspeitos de ter vínculos com Gulen, exilado nos Estados Unidos. Questionado se a embaixada turca havia informado sobre a situação às autoridades holandesas, o porta-voz indicou que passarão a "informação relevante" à Holanda quando chegar o momento certo.

Em declarações ao Algemeen Dagblad, o responsável interino pela embaixada turca, Kurtulus Aykan, disse ter sido "surpreendido" pelo fato de alguns de seus colaboradores mais próximos serem partidários de Gulen, mas destacou que a infiltração foi silenciosa e que esse "é o talento do movimento" do opositor.

"Frequentemente ouço pessoas falarem do longo braço de Ancara, mas preferiria falar do longo braço do FETÖ (nome que a Turquia dá ao movimento de Gulen)", declarou Aykan.

O aumento das tensões em razão da tentativa de golpe de Estado na Turquia dentro da comunidade turca na Holanda desencadeou violentos incidentes e ameaças, que colocaram a sociedade e as autoridades holandesas em alerta. As mobilizações de grupos de origem turca em defesa do governo de Erdogan culminaram em vários atos violentos e ameaças contra organizações e indivíduos suspeitos de ter vínculos com Gulen. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.