Turquia teme que ação russa na Síria aumente o número de refugiados

Turquia teme que ação russa na Síria aumente o número de refugiados

Governo turco afirma que até 1 milhão de pessoas podem cruzar a fronteira para fugir da guerra síria com os novos bombardeios

O Estado de S. Paulo

06 Outubro 2015 | 09h55

ANCARA - O governo da Turquia teme que a intervenção militar da Rússia na Síria desestabilize ainda mais o país vizinho, fazendo com que até 1 milhão de pessoas cruzem a fronteira para fugir da guerra e se somem aos 2,5 milhões de refugiados que já vivem em território turco.

O vice-primeiro-ministro da Turquia, Numan Kurtulmus, disse que os bombardeios russos podem fortalecer o regime do presidente sírio, Bashar Assad, e aumentar a pressão sobre a oposição moderada. "O oeste da Síria é a região mais populosa. Lá há equilíbrio agora, dentro da guerra civil multilateral. Cada intervenção adicional, especialmente essa da Rússia e seus bombardeios contra posições da oposição moderada, dará muita força ao regime", disse Kurtulmus nesta terça-feira, 6, ao jornal Hürriyet.

O vice-primeiro-ministro turco acrescentou que, nesse cenário, Assad pode intensificar seus ataques. "Nesse caso, novas mudanças de equilíbrios nessas cidades muito populosas provocaram uma nova onda de centenas de milhares de refugiados, talvez um milhão, em direção à Turquia", alertou.

As autoridades turcas estão há meses protestando pelo pouco envolvimento do Ocidente na situação dos refugiados da guerra civil síria. Centenas deles passam todos os dias pelo litoral turco rumo à Grécia em embarcações precárias.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse recentemente que a Guarda Costeira do país já resgatou mais de 60 mil pessoas no mar e alertou que há um limite para as ações do governo. Erdogan afirmou que a Turquia gastou US$ 7,5 bilhões para ajudar os refugiados e só recebeu US$ 419 milhões da comunidade internacional. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.