TV britânica culpa fogo amigo pela morte de repórteres

Um repórter da televisão britânica Independent Television News (ITN) enviado ao Iraque, Terry Lloyd, que estava sendo dado como desaparecido, morreu, informou a rede de TV. Segundo a ITN, Lloyd, um cinegrafista e um tradutor aparentemente foram mortos por tiros das forças anglo-americanas no sábado. "A ITN acredita que este fogo tenha vindo das forças de coalizão", disse um comunicado da emissora. "Acreditamos que seu corpo esteja no hospital de Basra, que ainda está sob controle iraquiano".De acordo com a nota, ainda não há informações sobre os dois outros colegas de Lloyd surpreendidos pelos tiros, o cinegrafista Fred Nerac, da Bélgica, e o tradutor Hussein Osman, do Líbano, mas disse ser provável que ambos estejam em Basra. O grupo foi atacado quando se dirigia a Basra e foi declarado desaparecido no sábado à tarde. A secretaria da Defesa britânica recusou-se a comentar o incidente.Outro cinegrafista da ITN, Daniel Demoustier, foi ferido quando a equipe deixou Basra em dois veículos. A ITN disse que Demoustier não pôde ver o que aconteceu com os colegas.Lloyd, de 51 anos, 20 dos quais passou trabalhando para a ITN, não era um novato em reportagens de guerra. Casado e com dois filhos, foi o primeiro jornalista a dar a notícia do ataque de Saddam Hussein em 1988 contra a cidade de Halabje, no norte do Iraque, onde 5 mil curdos foram mortos com armas químicas.O jornalista também cobriu os conflitos em Kosovo, na Bósnia e na atual Iugoslávia. "Terry era corajoso, determinado e consciente a respeito de segurança", disse a ITN. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.