AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

TV diz que CEO da Exxon será secretário de Estado dos EUA

Se for escolhido por Trump, Rex Tillerson será mais um bilionário a compor o gabinete do presidente eleito

O Estado de S.Paulo

10 Dezembro 2016 | 21h47

O nome do CEO da Exxon Mobil, Rex Tillerson, tornou-se o favorito para assumir o Departamento de Estado dos EUA. De acordo com a rede de TV NBC News, o presidente eleito, Donald Trump, já teria feito sua escolha e o anúncio seria oficializado nos próximos dias. Um membro da equipe de transição afirmou à agência Reuters que os dois se reuniram na terça-feira e voltariam a se encontrar em algum momento durante o fim de semana.

Tillerson, de 64 anos, teria vencido a disputa pelo cargo de chefe da diplomacia americana. Concorriam ao posto o candidato presidencial republicano de 2012, Mitt Romney, o ex-prefeito de Nova York, Rudy Giuliani, o ex-embaixador americano na ONU, John Bolton, o ex-senador Bob Corker e o almirante da reserva James Stavridis.

Se for escolhido por Trump, Tillerson será mais um bilionário a compor o gabinete do presidente eleito. Sob seu comando, a Exxon Mobil fechou uma parceria com a Rosneft, estatal russa do petróleo, para explorar extração no Mar Negro e no Ártico. Em 2013, o presidente Vladimir Putin condecorou Tillerson com a Ordem da Amizade, importante honraria civil da Rússia. Após a anexação da Crimeia pelos russos, em 2014, o CEO da Exxon Mobil criticou as sanções contra Moscou, afirmando que as medidas “não tinham efetividade”.

Experiência. Diferentemente de outros secretários de Estado dos EUA, Tillerson não tem nenhuma experiência em diplomacia e nunca ocupou um cargo público. Ele seria o quarto bilionário a ganhar um posto no governo. A socialite Betsy DeVos, que tem uma fortuna estimada em US$ 5 bilhões, será a secretária de Educação. O ex-banqueiro Wilbur Ross será secretário de Comércio. Todd Ricketts, um dos donos do Chicago Cubs, time de beisebol, será seu secretário adjunto. / NYT, AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.