TV espanhola censura notícias sobre o Iraque

Os funcionários do canal público Televisão Espanhola (TVE) denunciaram que as autoridades da emissora vêm divulgando "informação desequilibrada, tendenciosa ou manipulada" sobre o Iraque, com a finalidade de favorecer a posição pró-americana do primeiro-ministro espanhol, José María Aznar.Em uma declaração pública, os 351 trabalhadores da TVE que assinaram o documento denunciaram que os noticiários estão sendo censurados através da "eliminação" das notícias que não favorecem a cruzada bélica dos EUA, apoiada por Aznar e pelo primeiro-ministro britânico, Tony Blair. Esta afirmação se soma a denúncias feitas contra Aznar pela oposição socialista no Parlamento, segundo as quais a TVE não noticiou as grandes manifestações pacifistas de 15 de fevereiro. Os trabalhadores denunciaram que, "devido à censura" imposta pelos editores do canal público, "não estão sendo respeitados os mínimos critérios de veracidade, pluralismo e independência" na divulgação de notícias sobre o conflito entre EUA e Iraque. Os empregados da TVE formaram um Comitê contra a Manipulação que denunciou publicamente hoje que, na sexta-feira, 28 de fevereiro, "se suprimiu do noticiário, já no ar, uma matéria sobre a posição da França e da Rússia e a prévia da cúpula árabe em Sharm el Sheikh, junto com manifestações contra os EUA". As maciças manifestações antiguerra de 15 de fevereiro em Madri e Barcelona, que reuniram quase 3 milhões de pessoas, também não foram transmitidas diretamente pela TVE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.