TV iraniana afirma que Sakineh continua presa

A emissora iraniana de língua inglesa Press TV negou hoje as informações de que Sakineh Mohammadi Ashtiani, a mulher sentenciada à morte por apedrejamento por adultério, esteja livre da prisão. Um grupo sediado na Alemanha que faz campanha pela libertação da iraniana afirmou ontem à noite que Sakineh havia sido solta, após fotografias dela em casa serem divulgadas na mídia.

AE, Agência Estado

10 de dezembro de 2010 | 09h31

"Contrariamente à vasta campanha de publicidade da mídia ocidental de que a assassina confessa Sakineh Mohammadi Ashtiani tenha sido solta, uma equipe de produção da emissora da emissora da Press TV conseguiu com autoridades o direito de seguir com Ashtiani até a casa dela para produzir uma reconstituição visual do crime e da cena do homicídio", afirmou a Press TV em seu site.

Sakineh foi condenada também pelo envolvimento na morte do marido. O canal afirmou que veiculará o programa, que inclui entrevistas com pessoas envolvidas no caso, entre elas seu filho e o advogado, no fim desta sexta-feira.

Sakineh, de 43 anos, mãe de dois filhos, foi sentenciada à morte por dois diferentes tribunais na cidade de Tabriz, no noroeste do país, em julgamentos ocorridos em 2006. Uma sentença por enforcamento pelo envolvimento na morte do marido dela foi comutada para uma pena de 10 anos de prisão por um tribunal de apelações em 2007.

Uma segunda sentença à morte por apedrejamento por adultério, porém, foi mantida pela corte de apelações no mesmo ano. O atual advogado de Sakineh, Javid Houtan Kian, foi preso em Tabriz em setembro, junto com dois alemães que entrevistavam o filho dela. Os alemães estavam com vistos de turista e trabalhavam para um jornal alemão. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãapedrejamentoSakinehlivrepresa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.