TVs aceitam restringir informações do Al-Qaeda

A pedido da Casa Branca e do secretário de Estado, Colin Powell, a CNN e outras redes de televisão americanas aceitaram não transmitir, na versão integral, o vídeo de Osama bin Laden e as declarações da organização Al-Qaeda. O motivo é que a administração Bush teme que este material possa incluir mensagens em código para os terroristas dispostos a lançar um novo ataque contra os Estados Unidos. "É um pedido razoável o que fez a conselheira de Segurança Nacional, Condoleezza Rice. Este é um momento em que todos devemos demonstrar responsabilidade nacional", afirmou o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer. Fleischer indicou a possibilidade de que, depois do pedido às emissoras de TV, os jornais também recebam requisições semelhantes. "Não excluímos a possibilidade de pedir que os textos integrais das declarações do Al-Qaeda não sejam incluídos nos jornais", afirmou Fleischer. Segundo a conselheira de segurança dos EUA, Condoleezza Rice, as fitas gravadas por Osama bin Laden podem conter ordens a seus seguidores para conduzir ataques. "No mínimo, as mensagens de Osama bin Laden são propaganda, convocando as pessoas para matar os americanos. No pior dos casos, ele pode estar instruindo seus seguidores para iniciar ataques", afirmou ela. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.