TVs privadas do Paquistão são forçadas a encerrar transmissões

Governo de Musharraf afirma que emissoras incitavam incertezas e impõe novo cógido de mídia

Reuters,

17 de novembro de 2007 | 13h52

Duas redes privadas de televisão do Paquistão, que saíram do ar depois do estado de exceção decretado pelo presidente Pervez Musharraf, afirmaram neste sábado, 17, que foram obrigadas a fechar depois de receberem ordens para encerrar transmissões via Emirados Árabes Unidos. Musharraf acusou alguns canais de TV de incitar as incertezas que o levaram a impor o estado de exceção no país, que a crítica afirma ser uma ferramenta para mantê-lo no poder. Emissoras locais e internacionais desapareceram das televisões a cabo no Paquistão em meio a um cerceamento da mídia imposto pelo decreto de Musharraf em 3 de novembro, que baniu reportagens contra a Presidência, governo ou militares do país. Alguns canais retomaram transmissões, mas a Geo se recusou a concordar com o novo código de mídia imposto pelo governo paquistanês. A Geo, maior emissora de TV do país, e a ARY One World, possuem escritórios e estúdios na Dubai Media City, de onde eram feitas as transmissões. "Fomos informados pela Dubai Media City que nossas transmissões serão interrompidas", afirmou o presidente da Geo News, Imran Aslam, à Reuters. "É tudo que posso informar no momento." Um representante da ARY confirmou ordens similares. Ambos os canais saíram do ar às 1h, horário do Paquistão (10h, horário de Brasília). Ninguém na Dubai Media City estava disponível para comentar o assunto. O site da Geo TV afirma que o canal saiu do ar "depois que o presidente Pervez Musharraf fez uma pressão tremenda para silenciar a mídia, que se recusou a curvar-se às suas ordens". Ainda segundo o site, "fontes disseram que o presidente Musharraf pessoalmente interveio para encerrar todas as transmissões da Geo a partir de Dubai, depois de um impasse de duas semanas no Paquistão durante o qual os grandes canais de notícias foram desativados por operadores de cabo, que são diretamente controlados pelas autoridades paquistanesas"

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoMusharraf

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.