Oliver Contreras/Pool/EFE/EPA
Oliver Contreras/Pool/EFE/EPA

Twitter classifica tuíte de Trump como enganoso pela primeira vez; presidente rebate

Ação é resposta a críticas de longa data de que a empresa é negligente quando se trata de policiar mentiras propagadas por líderes mundiais;Trump acusa rede social de 'interferência nas eleições de 2020'

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2020 | 21h36
Atualizado 02 de junho de 2020 | 04h08

O Twitter divulgou nesta terça-feira, 26, um rótulo de checagem de fatos nos tuítes do presidente americano Donald Trump, uma resposta a críticas de longa data de que a empresa é muito negligente quando se trata de policiar desinformação e falsidades propagadas por líderes mundiais.

A medida, que aumenta as tensões entre Washington e o Vale do Silício em um ano eleitoral, foi feita em resposta a dois tuítes de Trump nas últimas 24 horas. Os tuítes alegaram falsamente que as cédulas por correio são fraudulentas. A tarja do Twitter diz: "Conheça os fatos sobre as cédulas por correspondência" e redireciona os usuários para artigos de notícias sobre a alegação infundada de Trump.

Os tuítes, disse a porta-voz do Twitter Katie Rosborough, "contêm informações potencialmente enganosas sobre os processos de votação e foram rotulados para fornecer um contexto adicional em torno das cédulas por correio".

As ações do Twitter acontecem no dia em que a plataforma enfrenta uma enxurrada de críticas por outro conjunto de publicações de Trump. Na terça-feira, o viúvo de uma ex-funcionária da rede de televisão americana MSNBC pediu em uma carta enviada ao presidente do Twitter, Jack Dorsey, que excluísse tuítes do presidente Trump que promoviam uma teoria da conspiração infundada sobre a morte de sua esposa.

Trump se manifestou pelas redes sociais e acusou o Twitter de "interferir" nas eleições presidenciais de novembro. "O Twitter interfere agora nas presidenciais de 2020", tuitou em sua conta oficial.  /WP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.