Pixelbay/Pixelcut
Pixelbay/Pixelcut

Twitter deleta contas 'pró-governo' em vários países

Plataforma removeu perfis não autênticos criados para disseminar mensagens políticas

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2020 | 18h30

O Twitter informou nesta quinta-feira, 2, que removeu milhares de contas no Egito, Arábia Saudita, Honduras, Indonésia e Sérvia, que supostamente recebiam instruções de governos ou publicavam conteúdos pró-governo. 

"Removemos 2.541 contas de uma rede egípcia, conhecida como El Fagr", publicou a empresa de tecnologia de San Francisco em uma série de tuítes. 

"O grupo de mídia criou contas não autênticas para ampliar as mensagens críticas ao Irã, Catar e Turquia. As informações que obtivemos externamente indicam que ela recebia instruções do governo egípcio".

O gerente de edição online da El Fagr, Mina Salah, negou veementemente.

"Sim, somos leais ao Estado, mas não recebemos instruções de ninguém. Estamos apenas defendendo nosso país e sua posição é clara em relação ao Irã, Catar e Turquia", disse ele à AFP. 

Ele disse que o Twitter estava efetivamente censurando o conteúdo do jornal e que os jornalistas foram proibidos de criar novas contas pessoais.

A plataforma também excluiu 5.350 contas da Arábia Saudita por "ampliar o conteúdo elogiando a liderança saudita e criticar a atividade do Catar e da Turquia no Iêmen". 

Grupos de direitos humanos acusaram o reino conservador de espionar dissidentes e usuários críticos no Twitter. 

Após uma investigação interna, o Twitter também removeu grupos de contas em Honduras que supostamente propagavam conteúdo pró-governo, na Sérvia por promover o "partido no poder e seu líder" e contas indonésias que enviavam informações sobre o movimento de independência da Papua Ocidental. 

No início desta semana, a plataforma removeu dois tuítes do presidente Jair Bolsonaro nos quais questionava as medidas de quarentena destinadas a conter o novo coronavírus, alegando que violavam as regras da rede social./AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Twitterfake news [notícia falsa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.