J. David Ake/AP Photo
J. David Ake/AP Photo

Twitter implementa mensagem de advertência em postagens 'abusivas' de políticos

Usuário deverá aceitar condições para poder visualizar postagens que violam regras de uso da rede social; o presidente americano Donald Trump deve ser um dos principais afetados

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2019 | 16h06

NOVA YORK - A rede social Twitter vai endurecer a partir desta quinta-feira, 27, as medidas contra contas de personalidades políticas que violam suas regras, como incitar a violência, por exemplo.

Com a nova configuração da rede social, mensagens de advertência irão proceder os tuítes selecionados pela empresa como abusivos, alertando que "as regras do Twitter em relação a comportamento abusivo se aplicam a esse tuíte. Porém, o Twitter determinou que pode ser do interesse público manter a publicação disponível". O usuário que mesmo assim desejar ler o conteúdo deverá clicar para aceitar as condições.

As postagens consideradas abusivas também não estarão em destaque nos resultados de pesquisas e nos algoritmos da rede social, assim fazendo com que circulem para um número reduzido de pessoas. Uma nova equipe foi montada voltada para aplicar a nova política da empresa.

Tanto candidatos quanto integrantes do governo que tenham mais de 100 mil seguidores estão sujeitos a ter as postagens antecedidas com mensagens de advertência. A medida já entra em vigor nesta quinta.

O anúncio veio a público um dia depois de uma nova série de ataques do presidente americano Donald Trump contra o Twitter, que acusa a empresa de censura. "Eles evitam que as pessoas me sigam no Twitter, e tenho muitos problemas para transmitir minha mensagem", afirmou na quarta em entrevista ao canal Fox Business News.

Outros políticos Republicanos também alegam que plataformas tecnológicas no geral estão silenciando vozes conservadoras na internet, através de censura ou de limites à difusão de suas mensagens, mas sem apresentar provas. O debate é expandido para como e quando os gigantes da tecnologia devem interferir na liberdade de expressão e se os padrões estabelecidos pelas empresas como abusivos estão sendo aplicados de maneira transparente e consistente. Políticos defendem que a indústria tecnológica é parcial.

"No passado, nós permitimos que algums tuítes que violavam nossas regras fossem mantidos no Twitter, porque eram de interesse público, mas não ficava claro quando e como nós fazíamos tais determinações", escreveu a empresa na rede social. "Para consertar isso, estamos introduzindo um novo aviso que vai oferecer mais claridade nessas situações, e vai divulgar com mais frequência quando e como o usamos". / W. POST e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.