Natalia Kolesnikova/AFP
Natalia Kolesnikova/AFP

Twitter restringe conta da vacina russa Sputnik V contra a covid-19

Perfil voltou ao ar e publicou um tuíte explicando que, segundo a rede social, o bloqueio ocorreu em razão de uma possível violação de segurança no Estado da Virgínia, nos Estados Unidos

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2021 | 18h07

MOSCOU - Os criadores da vacina russa contra o novo coronavírus, a Sputnik V, afirmaram nesta quinta-feira, 14, que o Twitter restringiu o acesso à sua conta oficial. A página, porém, já foi normalizada. “Cuidado: esta conta está temporariamente restrita porque houve alguma atividade incomum”, mostrou um comunicado na página do Twitter para a vacina. 

"A conta da Sputnik V @sputnikvaccine foi restrita", disse em um comunicado o Fundo Soberano Russo (RDIF), que financiou o desenvolvimento do imunizante. “Estamos investigando as razões para isso”, explicou o fundo russo de investimento direto, que também administra a conta e comercializa a vacina no exterior. “Pedimos a todos os nossos assinantes que escrevam no Twitter pedindo que restaurem nosso acesso.”

O perfil voltou ao ar ainda nesta quinta-feira e publicou um tuíte explicando que, segundo a rede social, o bloqueio ocorreu por causa de uma possível violação de segurança no Estado da Virgínia, nos Estados Unidos.

Batizada de Sputnik V em homenagem ao primeiro satélite enviado ao espaço pela União Soviética em 1957, a vacina foi registrada em agosto na Rússia.

Dessa forma, o país se tornou o primeiro do mundo a aprovar uma vacina contra a covid-19, apesar de ter recebido críticas da comunidade internacional, que apontou que o anúncio foi prematuro, já que ele foi feito antes dos testes da fase 3 e da publicação dos resultados científicos.

Na quarta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que a Sputnik V é "a melhor" do mundo e ordenou o início de uma campanha em massa de vacinação no país a partir da próxima semana./AFP e REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.