Gabinete do Líder Supremo Iraniano / Via AP
Gabinete do Líder Supremo Iraniano / Via AP

Twitter suspende conta do líder supremo do Irã após suposta ameaça a Trump

Ali Khamenei afirmou que vingança pela morte do general Qassim Suleimani pode acontecer a qualquer momento

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2021 | 13h12

O Twitter suspendeu uma conta ligada ao líder supremo do Irã, Ali Khamenei, nesta sexta-feira, 22, que trazia a imagem de um jogador de golfe semelhante ao ex-presidente Donald Trump aparentemente sendo alvejado por um drone. A postagem também tinha uma promessa de vingar a morte de Qassin Suleimani, importante general iraniano morto em um ataque de drone dos EUA em janeiro de 2020.

"A vingança é inevitável. O assassino de Soleimani e o homem que deu as ordens devem enfrentar a vingança. A vingança pode acontecer a qualquer momento", dizia o texto. 

Em janeiro de 2020, um soldado da força aérea americana matou o general iraniano Qassim Suleimani, responsável pela Guarda Revolucionária do Irã. Ele foi morto em um bombardeio no aeroporto de BagdáUm dos militares mais poderosos do Irã, ele era considerado terrorista pelos Estados Unidos e Israel e era vice-comandante da força Al-Qods, responsável pelas operações estrangeiras do país asiático. 

Em 8 de janeiro, o Twitter suspendeu permanentemente a conta de Trumpque reagiu afirmando que a empresa "conspira" para "silenciá-lo" e prometeu criar uma nova rede social. A rede social afirmou que as mensagens do republicano poderiam aumentar o risco de violência. 

"Após uma análise detalhada dos tweets recentes da conta #realDonaldTrump e do contexto em torno deles, suspendemos permanentemente a conta devido ao risco de mais incitação à violência", disse a empresa. 

"No contexto dos eventos horríveis desta semana (a invasão ao Capitólio que causou 5 mortes), deixamos claro na quarta-feira que violações adicionais das Regras do Twitter potencialmente resultariam neste mesmo curso de ação." / Com informações da Reuters e AFP  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.