Ucrânia: Candidato promete frear ações de 'terroristas'

Um dos principais candidatos às eleições presidenciais na Ucrânia, marcadas para o fim do mês, prometeu conter a atuação de rebeldes pró-Rússia no leste do país, alegando que alguns deles só entendem "a linguagem da força".

AE, Agência Estado

07 Maio 2014 | 12h48

O bilionário magnata de chocolate Petro Poroshenko disse a jornalistas antes de uma reunião com a chanceler alemã, Angela Merkel, em Berlim, que, embora esteja disposto a ouvir e resolver as queixas dos ucranianos do leste, onde há muitos russos étnicos, restaurar a lei e a ordem é uma prioridade fundamental.

"Devemos falar com as pessoas que vivem no leste - conversar com eles e compreendê-los", disse Poroshenko. "Para aquelas pessoas que são terroristas, devemos encontrar a linguagem certa que entendam - e isso seria a linguagem da força", afirmou. "Devemos ter tolerância zero contra terroristas."

Poroshenko criticou os planos de realização de um referendo neste domingo pelos insurgentes pró-Rússia que pressionam por mais autonomia ou mesmo a independência do leste da Ucrânia, argumentando que não há "nenhuma base legal" para uma votação como essa.

Mas o candidato favorito da eleição presidencial da Ucrânia, marcada para 25 de maio, disse que está pronto para negociar uma maior descentralização de poderes e até mesmo realizar um referendo sobre mudanças constitucionais na Ucrânia, desde que seja livre, justo e não "sob metralhadoras ou rifles automáticos". Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.