Brendan Hoffman/The New York Times
Brendan Hoffman/The New York Times

Ucrânia coloca tropas na fronteira com Crimeia em alerta de combate

Tensão na região aumentou depois de o presidente russo, Vladimir Putin, afirmar na quarta-feira que grupos da inteligência militar ucraniana tentaram se infiltrar na Crimeia

O Estado de S. Paulo

11 Agosto 2016 | 11h33

KIEV - O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, ordenou nesta quinta-feira, 11, que todas as tropas ucranianas desdobradas na fronteira com Crimeia e na linha de separação de forças com os rebeldes pró-Rússia no leste do país sejam colocadas em "máximo alerta de combate" .

"Ordenei colocar em máximo alerta de combate todas as unidades na fronteira administrativa com Crimeia e ao longo de toda a linha de separação de forças no Donbas (leste da Ucrânia)", escreveu no Twitter o chefe do Estado ucraniano. Poroshenko explicou que tomou essa decisão após se reunir com a chefia das forças de segurança e dos Ministérios de Defesa e Exteriores.

A nova explosão de tensão entre Ucrânia e Rússia ocorre depois que Moscou denunciou na quarta-feira que grupos da inteligência militar ucraniana tentaram se infiltrar na Crimeia em duas operações de sabotagem - uma na madrugada de domingo e outra na segunda-feira - com o objetivo de atentar contra "infraestruturas vitais da península".

O presidente russo, Vladimir Putin, acusou de terrorismo o governo ucraniano e advertiu que a Rússia não deixará "passar estas coisas". Poroshenko respondeu tachando de "cínicas" as acusações russas e garantiu que trata-se de "fantasias que os russos usam como pretexto para lançar novas ameaças militares à Ucrânia".

Os dois países anunciaram reforços de seus dispositivos de segurança no istmo que separa a península da Ucrânia. Putin se reuniu na manhã desta quinta com membros do Conselho de Segurança da Rússia para debater medidas adicionais dirigidas a reforçar a defesa da Crimeia.

O número dois da Guarda de Fronteiras ucraniana, Oleg Slobodian, denunciou que a Rússia desdobrou nessa zona "unidades de elite dotadas de armamento moderno, capazes de atuar em situações críticas e que contam com habilidades especiais" de combate.

O oficial ucraniano não pôde precisar se o número de tropas russas na fronteira com Crimeia aumentou, mas expressou a preocupação de que unidades ordinárias são substituídas por forças especiais. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.