Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Sergey Dolzhenko/Efe
Sergey Dolzhenko/Efe

Ucrânia condena ex-primeira-ministra a sete anos de prisão

Yulia Timoshenko é acusada de abuso de poder para firmar acordo de gás com a Rússia

Agência Estado

11 de outubro de 2011 | 09h30

KIEV - Um tribunal de Kiev, na Ucrânia, condenou nesta terça-feira, 11, a ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko por abusar de seus poderes, ao ordenar que um subordinado firmasse um acordo de gás em 2009 com a Rússia. A líder da oposição foi condenada a sete anos de prisão, em um julgamento bastante observado e politizado, informa o Wall Street Journal.

 

O caso tornou-se um teste para o governo do presidente Viktor Yanukovych, que busca equilibrar os laços com o Ocidente e com Moscou. Os críticos acusam a administração de adotar táticas cada vez mais autoritárias, similares às do primeiro-ministro russo, Vladimir Putin. Funcionários dos EUA e da União Europeia denunciaram o processo como politicamente motivado e disseram que ele ameaça as relações. O governo de Yanukovych nega qualquer conotação política no caso. Tymoshenko disse que apelará da decisão ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos, em Estrasburgo.

 

O juiz Rodion Kireyev afirmou que Yulia é culpada por ordenar ilegalmente que a companhia estatal de gás Naftogaz fechasse um acordo com a Rússia, que levou a Ucrânia a pagar cerca de US$ 200 milhões em danos. A política acusa seu rival Yanukovych, que a derrotou por pouco em uma eleição em 2010, de usar o caso para retirá-la da cena política. Essa visão é compartilhada por observadores ocidentais.

 

A União Europeia afirmou estar "profundamente desapontada" com o veredicto. Segundo a UE, a decisão terá profundas implicações na campanha da Ucrânia de tentar fechar um acordo para ingressar no bloco. "A UE está profundamente desapontada", afirmou uma porta-voz da chefe das Relações Exteriores da UE, Catherine Ashton. "Ela vem após um julgamento que não respeitou os padrões internacionais."

 

Yulia foi a grande força por trás da Revolução Laranja de 2004, que reverteu uma vitória eleitoral fraudada de Yanukovych. Apesar disso, Yanukovych conseguiu reagir e derrotou por pouco Tymoshenko em 2010, durante uma campanha marcada pelo desencanto público diante dos problemas econômicos e por divergências entre os que depuseram Yanukovych. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.