Ucrânia dissolve unidade policial acusada de violência

O ministro do Interior interino da Ucrânia, Arsen Avakov, ordenou nesta quarta-feira a dissolução da temida unidade policial que muitos acusam pelos ataques contra manifestantes durante demonstrações contrária ao governo. Também hoje, o país nomeou o presidente interino, Oleksandr Turchynov, como comandante-em-chefe do Exército, segundo um decreto publicado no site da presidência.

Agência Estado

26 Fevereiro 2014 | 09h04

Avakov escreveu em sua página no Facebook que havia assinado um decreto para dissolver a força policial conhecida como Berkut e que mais detalhes seriam anunciados posteriormente.

Manifestantes contrários ao governo responsabilizam a Berkut pelos violentos ataques contra os participantes dos protestos pacíficos que criticavam a decisão do presidente Viktor Yanukovich de não assinar um acordo que aproximaria o país da União Europeia e, em vez disso, estreitar as relações com Moscou.

A força policial, cujo nome significa "águia dourada", é composta por cerca de 5 mil oficiais. Não estava claro se seus integrantes serial demitidos ou realocados para novas unidades.

Na terça-feira, Avakov já havia anunciado a demissão de vários graduados oficiais policiais e a indicação de uma comissão especial para investigar a má conduta policial e o abuso de autoridade durante os atos de violência ocorridos na capital na semana passada. Mais de 80 pessoas foram mortas e centenas ficaram feridas durante os confrontos entre manifestantes e policiais.

Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.