Ucrânia encontra tanques russos em zona de conflito

O governo ucraniano informou nesta quinta-feira que capturou dois tanques de guerra russos em um local próximo a Lugansk, uma das cidades da Ucrânia que tem sido palco de conflitos entre ucranianos e separatistas pró-Rússia. O ministério da Defesa divulgou, inclusive, a foto de um dos veículos, dentro do qual foram encontrados vários documentos de civis e militares russos.

ANDRÉ ÍTALO ROCHA, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS, Estadão Conteúdo

21 de agosto de 2014 | 13h04

Por meio de um porta-voz, a Rússia nega qualquer envolvimento com a disputa e afirma que os documentos não são usados há mais de cinco anos. "Esta já é a centésima vez que ''evidências revelam'' participação da Rússia no conflito", disse Igor Konashenkov, em tom irônico. Além disso, muitos russos são vistos participando dos combates, mas a Rússia sustenta que eles estão atuando por conta própria.

Desde abril, quando os combates tiveram início, a Ucrânia acusa a Rússia de dar apoio aos separatistas, com fornecimento de armas e outros equipamentos. Há uma semana os russos têm tentado enviar cerca de 200 caminhões com ajudas humanitárias para civis em Lugansk, no entanto, a Ucrânia teme que, na verdade, eles estejam mandando suporte para os separatistas. O comboio segue retido na fronteira.

O ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou que uma trégua seria bem-vinda para permitir a passagem dos caminhões. Porém, um cessar-fogo formalizado poderia interromper o avanço do governo ucraniano no combate. As tropas da Ucrânia estão se esforçando para controlar a situação em áreas tomadas por rebeldes, principalmente nessa semana, já que, no próximo domingo, o país celebra o dia da sua independência.

Até agora, 1200 pessoas já perderam suas vidas e outras 340 mil tiveram que abandonar suas casas. Nesta quinta-feira, cinco soldados ucranianos foram assassinados e dois civis morreram em combates no oeste da Ucrânia.

Andiy Lysenko, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Ucrânia, afirmou que as tropas do governo ainda estão lutando contra separatistas nas proximidades de Ilovaysk, cidade próxima a Donetsk. Com uma população de um milhão de pessoas, Donetsk segue controlada pelos rebeldes. Porém, um terço dos moradores já deixou a cidade e cerca de 50 civis e soldados morreram após combates na região.

Em Lugansk, cidade a 20 quilômetros da fronteira com a Rússia, os conflitos continuam. Tomada por separatistas, a região está cercada há 19 dias, com falta de serviços básicos como água corrente e eletricidade.

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússiaconflitotanques

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.