Ucrânia inicia campanha para primeira eleição parlamentar após revolução

Eles são chefes de milícias, comandantes de batalhões e líderes da resistência contra os separatistas. Agora, trocaram uniformes por ternos e, nas ruas de Kiev ou de Odessa, pedem o voto da população nas eleições para o Parlamento ucraniano, que ocorrem dentro de 20 dias.

JAMIL CHADE, ENVIADO ESPECIAL / KIEV, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2014 | 02h02

Seis meses depois de derrubar o governo de Viktor Yanukovich, a Ucrânia começa a campanha para escolher seus parlamentares e, na prática, finalmente mudar a lógica política do país com uma nova geração de líderes.

Enquanto vigora o cessar-fogo no conflito entre forças ucranianas e a insurgência separatista pró-russa no leste, a campanha eleitoral é marcada por um patriotismo exacerbado e uma tensão palpável.

Para Vitali Klitschko, o novo prefeito de Kiev e um dos líderes dos protestos de fevereiro, o que está em jogo nas eleições é a real reformulação dos políticos no poder. "Quem estava no poder mentiu muito", disse. "Não acreditamos mais nos políticos antigos. Por isso, pedimos novas eleições. O Parlamento não representa o povo, mas sim os oligarcas e os amigos de Yanukovich. Eles continuam financiando separatistas e querem desestabilizar o país."

O próprio presidente, Petro Poroshenko, é um oligarca e ex-ministro do Yanukovich que se distanciou bem dele antes da queda. Desta vez, as listas de candidatos trazem nomes e rostos de pessoas que jamais foram políticos. No entanto, elas são marcadas por figuras identificadas como líderes da defesa da independência. Na lista de candidatos a deputado pelo Partido Radical, por exemplo, está o comandante do Batalhão Aidar, Serhiy Melnychuk , um dos líderes da milícia em Luhansk.

O grande destaque, porém, é a piloto de caças Nadiya Savchenko, capturada por forças russas que, mesmo assim, é líder da lista do Batkivshchyna, partido da ex-premiê Yulia Tymoshenko, que teve de ceder seu lugar para a militar prisioneira. No total, são 29 partidos registrados. Ativistas também se destacam entre os candidatos.

Patriotismo. Nas ruas de Kiev, comerciantes aproveitam a onda patriótica vendendo até papel higiênico com o rosto de Putin. Camisetas foram confeccionadas combinando o rosto do líder russo com insultos.

"A Rússia fez renascer o patriotismo ucraniano", disse ao Estado o governador de Odessa, Igor Palitsa. Ele assumiu o cargo em maio e controla um território do tamanho de Bélgica e Holanda.

Pesquisas indicam que o partido de Poroshenko deve vencer a eleição, com cerca de 40% dos votos. Analistas alertam, contudo, que o cenário pode mudar de forma importante dependendo dos resultados dos conflitos. A onda patriótica deve fortalecer a extrema direita, do premiê Arseni Yatseniuk.

Outro partido que espera crescer é o Svoboda, que já conta com alguns integrantes no governo, como o vice-premiê Oleksandr Sytch. Em entrevista ao Estado, ele não escondeu o seu radicalismo disse lutar para restringir o número de livros em russo no país, ainda que escritos em ucraniano. "É o que fazem os países pós-coloniais", justificou.

Tudo o que sabemos sobre:
Ucrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.