Ucrânia: mortes em confrontos em Sloviansk somam 34

Trinta insurgentes pró-Rússia e quatro integrantes das forças do governo foram mortos na Ucrânia durante operações para expulsar rebeldes do entorno de Sloviansk, no leste do país, afirmou o ministro do Interior ucraniano, Arsen Avakov, nesta terça-feira. Enquanto isso, no sudoeste, as autoridades em Kiev tentam reafirmar o controle sobre a região de Odessa, no Mar Negro, com a nomeação de um novo governador.

AE, Agência Estado

06 Maio 2014 | 12h01

Avakov confirmou o número de mortes em sua página no Facebook hoje, acrescentando que 20 oficiais também se feriram durante confrontos em Sloviansk. Ele não esclareceu quando ocorreram as mortes. Tiroteios ao redor da cidade na segunda-feira foram o esforço mais ambicioso do governo interino até o momento para acabar com semanas de distúrbios no leste do país.

Na manhã de terça-feira, forças ucranianas haviam tomado conta de um posto de controle importante no norte da cidade, impondo um revés às linhas de comunicação insurgentes. O posto havia sido atacado repetidamente desde que a ofensiva do governo começou.

Também nesta terça o governo central tentou restabelecer o controle sobre a região de Odessa, predominantemente de língua russa, onde 46 pessoas morreram na sexta-feira após uma marcha pró-Ucrânia levar a tiroteios e combates entre grupos de posições divergentes.

Em comunicado publicado no site da presidência, as autoridades em Kiev anunciaram que demitirão o governador interino, substituindo-o pelo membro do Parlamento Ihor Palytsya. No sábado, o chefe de polícia de Odessa foi destituído.

A preocupação de que Odessa possa ser a próxima região a ser controlada por forças pró-Rússia - especialmente depois de 67 pessoas detidas em distúrbios da sexta-feira terem sido libertadas pela polícia sob pressão de uma multidão enfurecida - provocou preocupação em Kiev. O governo enviou uma força de elite da Guarda Nacional para Odessa e na segunda-feira ela já patrulhava as ruas. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.