Ucrânia nega venda de artefatos nucleares à Al-Qaeda

O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia negou informações publicadas pela imprensa dando conta que um grupo de cientistas do país teria vendido armas nucleares a integrantes da rede extremista Al-Qaeda. A chancelaria ucraniana qualificou a notícia como "desinformação". O jornal egípcio Al-Hayat citou fontes da Al-Qaeda no Paquistão para publicar em sua edição de domingo que cientistas ucranianos forneceram armas nucleares táticas a membros do grupo extremista liderado pelo milionário saudita no exílio Osama bin Laden.Markian Lubkiyvskyi, porta-voz da chancelaria, disse a jornalistas que a reportagem "não possui nenhum fundamento e é causa de surpresa". De acordo com o Al-Hayat, a venda das "maletas atômicas" - armas nucleares em formato de pastas de executivos - foi fechada em 1998 na cidade afegã de Kandahar. As bombas seriam supostamente utilizadas em ataques contra alvos americanos.Lubkiyvskyi destacou que a Ucrânia não possuía mais nenhuma arma nuclear em 1998, porque todos os artefatos atômicos em poder da ex-república soviética foram transferidos para a Rússia em 1º de junho de 1996. Todas as transferências de armas foram verificadas três vezes por autoridades ucranianas e russas, garantiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.