Ucrânia ordena que operação antiterror seja retomada

O presidente da Ucrânia, Oleksandr Turchynov, ordenou que as forças de segurança do país retomem as operações "antiterrorismo" no leste do país, que haviam sido suspensas após um acordo para amenização de tensões na região.

AE, Agência Estado

22 de abril de 2014 | 14h53

O pacto feito entre representantes da Ucrânia, Rússia, União Europeia e Estados Unidos na semana passada afirmava que todos os envolvidos no conflito deveriam evitar o uso da violência. Além disso, os prédios ocupados por ativistas em território ucraniano deveriam ser esvaziados. Contudo, os manifestantes pró-Rússia não aceitaram o acordo e alegaram que não fazem parte do pacto.

De acordo com informações da BBC, a decisão do presidente foi tomada depois que dois homens, incluindo um político local, foram encontrados "torturados até a morte". O nome do político era Vladimir Rybak e o corpo foi encontrado perto da cidade de Slovyansk, que tem se tornado um dos principais focos de tensão entre forças oficiais e militantes pró-Rússia no Leste do país.

Ainda na cidade, o ministério de Defesa da Ucrânia disse que um avião militar foi atingido por tiros durante um voo de reconhecimento sobre o local. O ministério afirmou que a aeronave Antonov-30, conhecida como Clank sob as definições da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), foi alvo de tiros e diversas balas o atingiram. O avião aterrissou de maneira segura e, ao final do dia, já havia sido plenamente concertado. Este foi o primeiro incidente do tipo durante a crise na Ucrânia. Com informações da Associated Press e da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Ucrâniacriseantiterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.