Ucrânia prepara país para uma votação tensa no domingo

Em Donetsk, barreiras são controladas por separatistas com apoio da polícia, que deveria se subordinar a Kiev

Andrei Netto, Enviado Especial / DONETSK, UCRÂNIA, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2014 | 02h02

O Ministério do Interior da Ucrânia anunciou ontem que lançará uma operação de guerra para garantir a realização das eleições presidenciais de domingo. Mais de 55 mil policiais e 20 mil voluntários participarão do esforço de segurança para conter a ação de grupos separatistas em cidades como Donetsk e Slaviansk, no leste.

Do outro lado da fronteira, na Rússia, tropas seguem mobilizadas, apesar do anúncio de retirada do presidente russo, Vladimir Putin, na segunda-feira.

A medida anunciada por Kiev é considerada necessária porque a tensão segue alta no leste. No aeroporto de Donetsk, agentes de fronteira com insígnias ucranianas controlam o ingresso de jornalistas estrangeiros, fichando-os. Nas ruas, a vida cotidiana é interrompida por protestos pró-Ucrânia e pró-Rússia, sempre com mobilização de milícias do lado oposto.

Na terça-feira, um comboio de carros de ucranianos favoráveis à união do país foi interrompido por grupos de homens mascarados e armados com bastões que ameaçavam os participantes e depredavam os veículos. "A cidade parece normal, mas ninguém sabe o que vai acontecer na Ucrânia e em Donetsk no domingo e nas próximas semanas", advertiu o comerciário Pavel Borzilov, que não sabia ainda se votaria.

Parte da incerteza dos eleitores se dá pelo clima de insegurança entre os moradores. Pelas estradas e avenidas limítrofes do município, espalham-se barreiras, a maior parte de separatistas, mas também de forças pró-Kiev. Ontem, o Estado flagrou a presença de um carro de polícia ajudando na patrulha de um posto de controle pró-Rússia vigiado por homens armados, dois deles ex-agentes das Forças Especiais do Exército ucraniano.

Para conter a ação dos ativistas pró-Rússia, o ministro do Interior, Arsen Avakov, anunciou a mobilização de 75 mil agentes, incluindo milicianos sem autoridade legal convocados para reforçar as forças. O objetivo, segundo ele, é garantir que ocorram as eleições, as primeiras desde a deposição do presidente eleito, Viktor Yanukovich, em fevereiro.

Em 11 de maio, os separatistas realizaram um referendo, a partir do qual decretaram a independência unilateral da República Popular de Donetsk. Quatro dias antes, a Rússia chegou a pedir aos organizadores que adiassem a votação.

Na terça-feira, Aleksandr Borodai, "eleito" líder interino da República de Donetsk, reafirmou que seu grupo não permitirá a votação. "Não haverá nenhuma eleição presidencial no território de nossa república", garantiu, definindo a votação como "um atentado" de Kiev.

Nesse clima de cerco, ameaças e instabilidade, nenhum dos principais candidatos à presidência da Ucrânia esteve em Donetsk ou nas regiões do leste para fazer campanha - situação que afasta ainda mais a população local das eleições. Cartazes espalhados pelas ruas são apenas de políticos do Partido das Regiões - de Yanukovich -, favoráveis à bandeira separatista.

Nas ruas da cidade, o candidato Petro Poroshenko, empresário bilionário e ex-ministro do presidente deposto, é considerado um oligarca mais interessado em promover seus interesses do que a união do país, embora tenha como principal bandeira a promessa de encerrar a crise em três meses.

Com 53,2% das intenções de voto, Poroshenko é franco favorito contra a ex-primeiro-ministra Yulia Tymoshenko, libertada da prisão após a queda de Yanukovich. Ela tem 10% da preferência dos eleitores.

Completam a lista o banqueiro e deputado Serhiy Tihipko, ex-ministro da Economia e ex-chefe de campanha de Yanukovich, que teria 8,8% dos votos, e Mykhailo Dobkin, ex-governador de Kharkiv e representante do Partido das Regiões, pró-Rússia, com 5%. Se a eleição não for definida no domingo, um segundo turno será realizado no dia 15.

Militares. A tensão política e militar segue no interior do país e também do outro lado da fronteira, onde tropas da Rússia continuavam estacionadas. Ontem, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) informou não ter constatado "nenhuma mudança na fronteira", apesar da ordem de retirada do presidente da russo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.