Ucrânia promete se defender de invasão russa

O embaixador ucraniano Ihor Prokopchuk convocou membros da OSCE para discutir a questão

Estadão Conteúdo

28 de agosto de 2014 | 09h41

A Ucrânia vai usar todos os meios disponíveis para defender sua independência e sua integridade territorial, tendo em vista o que o país chama de invasão russa, afirmou o embaixador ucraniano na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Ihor Prokopchuk, nesta quinta-feira

Prokopchuk disse aos jornalistas, do lado de fora de uma reunião emergencial do conselho permanente da OSCE, que há evidências não apenas do apoio russo aos rebeldes separatistas no leste ucraniano, mas também provas do "engajamento direto russo no combate e confrontos com militares ucranianos lá (leste do país)".

O embaixador chamou o agravamento da situação de uma "invasão direta do Exército russo nos regiões do leste da Ucrânia". Ele comparou a situação com a da Crimeia, que levou a Rússia a anexar a península.

Prokopchuk acrescentou que pediu apoio a outros países membros da OSCE e que uma reunião de alto nível dos integrantes da organização para discutir a questão seria oportuna e útil.

Andrey Kelin, embaixador russo na OSCE, disse que os únicos militares russos que entraram na Ucrânia foram os integrantes de um grupo de dez soldados que "involuntariamente cruzaram a fronteira". Ele também repediu declarações anteriores de que a Rússia não está fornecendo qualquer apoio a grupos separatistas pró-Rússia na região. Kelin disse que a região enfrenta uma crise humanitária.

O embaixador dos Estados Unidos na organização, Daniel Baer, afirmou que a Rússia não está interessada na situação humanitária, tendo em vista que a Federação Russa está por trás da intensificação da violência no leste da Ucrânia. Baer, que disse que o aumento da violência é "muito preocupante", declarou que os Estados Unidos estão comprometidos em garantir que, se a Rússia continua a aumentar suas atividades destrutivas, "haverá custos crescentes". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússiadefesaOSCEinvasão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.