Darko Vojinovic /AP
Darko Vojinovic /AP

Ucrânia retoma ataque ao leste e milícias pró-Rússia fogem de Slaviansk

Governo interino também desloca tropas especiais para Odessa, foco de violência no sul do país

O Estado de S. Paulo,

05 Maio 2014 | 08h34

KIEV - Tropas do governo interino da Ucrânia travaram combates com milícias pró-Rússia nesta segunda-feira, 5, na cidade de Slaviansk, no leste do país, em uma aparente escalada dos confrontos na região. A ofensiva de Kiev fez com que os milicianos fugissem da periferia da cidade de 150 mil habitantes, foco do movimento separatista pró-Rússia. O governo interino também deslocou tropas especiais para Odessa, cidade portuária do sul ucraniano tomada pela violência entre manifestantes favoráveis e contra o governo interino no fim de semana.

Pelo menos dois veículos blindados de transporte de pessoal e vários rebeldes fugiram nesta segunda-feira de um duro confronto na periferia leste da cidade ucraniana de Slaviansk, controlada por separatistas pró-russos.

Disparos podiam ser ouvidos quase continuamente e pareciam vir de mais perto do centro de Slaviansk, cidade do leste da Ucrânia, do que no dia anterior. Quatro ambulâncias foram vistas na área.

As forças ucranianas conseguiram assumir com o controle de uma torre de televisão de Slaviansk, situada na aldeia de Andreyevka. Um porta-voz dos pró-russos em Slaviansk disse à agência russa Interfax que os militares ucranianos ocuparam a torre da televisão, na aldeia que fica a meio caminho entre esta cidade e Kramatork.

Segundo a agência, foram registrados vários feridos e uma menina poderia ter morrido, segundo informações que nao foram confirmadas. De acordo com  o Ministério do Interior ucraniano, dois militares morreram em uma troca de tiros.

Com eles, seriam quatro os militares ucranianos mortos desde que começou na sexta-feira passada a ofensiva para recuperar as regiões rebeldes do sudeste do país controladas pelas milícias pró-russas.

Odessa. O ministro do Interior interino da Ucrânia, Arden Avakov, disse ter montado uma unidade nova de forças especiais para fazer a segurança da cidade, onde dezenas de pessoas morreram no fim de semana. Avakov considerou absurdo o fracasso da polícia em evitar a violência.

Segundo ele, a nova polícia será composta de "ativistas civis que querem ajudar nestes dias difíceis". A oposição pró-Rússia diz que milícias de extrema direita estariam entre esses ativistas.

"A polícia de Odessa agiu de forma absurda e criminosa", disse o ministro. O uniforme não servirá de álibi para ninguém."

Gás. Ontem, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e a chanceler alemã, Angela Merkel, discutiram a crise na Ucrânia em uma ligação telefônica e destacaram a importância de uma "ação efetiva internacional" para reduzir a tensão. Os líderes também discutiram o fornecimento de gás russo.

Na sexta-feira, a Rússia ameaçou cortar fornecimento de gás natural para a Ucrânia em julho se não receber pré-pagamento em uma linha crescente entre Moscou, Ucrânia e a União Europeia sobre o fornecimento de energia. / AP, REUTERS e EFE

Mais conteúdo sobre:
Ucrânia Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.